Energia

Turbina eólica voadora gera energia no ar. Por esta não esperavas

Proposta da Kitekraft passa por colocar pequenas turbinas eólicas em kites que ficam no ar a gerar energia
Texto

Já todos vimos as turbinas eólicas que produzem energia limpa hoje em dia. São grandes estruturas, tipo moinhos, que se esticam em direção ao céu. Mas no futuro, poderão ser completamente diferentes. A empresa alemã Kitekraft propõe aerogeradores que mais parecem papagaios presos por um fio.

Podemos dizer que esta tecnologia, chamada Airborne Wind Power System, é no mínimo inovadora. São kites com oito pequenas turbinas que, ao girar, produzem energia limpa. Presos por um fio – que serve também para enviar a eletricidade gerada para a rede ou para baterias –, estes kites movimentam-se no ar fazendo um oito.

Turbina eólica - AWAY
Tecnologia para produção eólica (foto: Kitekraft)

Quando não está vento ou há tempestades, a estrutura fica na base, no chão, apenas levantando voo quando é hora de produzir energia. Nessa altura, levanta voo como um eVTOL e quando o fio que o liga à terra fica esticado, começa a andar cada vez mais rápido, gerando energia.

A tecnologia apresentada pela Kitekraft tem várias vantagens relativamente às turbinas eólicas mais tradicionais. Precisam de cerca de 10 vezes menos material para serem fabricadas, a instalação é mais simples, logo ficam mais baratas, são quase invisíveis já que só vão para o ar quando há vento e são produzidas em alumínio que é facilmente reciclável.

Depois de vários testes e de uma ou outra alteração ao design, a Kitekraft anunciou que está a entrar numa nova fase para construir uma versão comercializável da turbina eólica voadora.

Esta não é a única proposta original para a produção de energia eólica. Entre as mais interessantes, estão as turbinas eólicas com um formato diferente da empresa portuguesa Windcredible e as colunas do tamanho da Torre Eiffel com aerogeradores

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Radares da PSP: vê onde vão estar de 15 a 21 de julho
Cidades mais verdes e menos compactas têm taxa de mortalidade mais baixa
Vai nascer mais um troço de ciclovia em Lisboa