Mobilidade

Pacto Climático Europeu quer a criação de zonas para as crianças poderem voltar a brincar na rua

O “Kidical Mass” é um movimento global que procura responder e dar visibilidade à necessidade e vontade das famílias usarem modos ativos nas suas deslocações diárias
Texto
360 crianças pedalaram em Albergaria no Dia sem Carros
360 crianças pedalaram em Albergaria no Dia sem Carros

O Pacto Climático Europeu quer a criação de zonas para as crianças poderem voltar a brincar na rua, apelo que vai fazer à Associação Nacional de Municípios Portugueses no domingo, numa iniciativa na qual centenas de famílias vão passear de bicicleta.

“Não faz qualquer sentido que hoje as crianças portuguesas vivam a maior parte do seu tempo fechadas e não possam brincar na rua como os seus pais e avós quando tinham a idade deles”, afirmou o embaixador para a mobilidade em Portugal do Pacto Climático Europeu, António Gonçalves Pereira.

António Gonçalves Pereira considerou ser “imperioso que autarcas em Portugal criem zonas nas cidades, e nas povoações médias e mais pequenas, em que isso possa acontecer” e sustentou que “brincar na rua é um direito, é uma condição da cidadania infantil que o poder local democrático tem de garantir”.

A proposta de criação de zonas para as crianças brincarem na rua vai ser apresentada na manhã de domingo, durante a iniciativa “Kidical Mass” (massa crítica de crianças), na qual são esperadas centenas de famílias a passear de bicicleta, num percurso com início na Quinta da Alfarrobeira, em Benfica, e fim na Quinta das Conchas, no Lumiar, em Lisboa.

De acordo com uma nota de imprensa, “o que vai ser proposto às câmaras municipais de todo o país é que, numa primeira fase, criem zonas junto às escolas existentes onde seja seguro para as crianças atravessar as estradas sem a companhia de adultos e brincar nas suas imediações”.

“O que reivindicamos, em primeiro lugar, são envolventes escolares seguras e livres de poluição do ar, ruído e tráfego motorizado de atravessamento”, referiu António Gonçalves Pereira, um dos organizadores do “Kidical Mass”, que também defendeu ser “essencial garantir rotas seguras para as escolas, a pé e de bicicleta, leis de trânsito rodoviárias amigas da criança e com limite de 30 quilómetros/hora nas localidades e na maioria das ruas com pessoas”.

Por outro lado, são também necessárias “ciclovias largas, contínuas e com cruzamentos seguros, em vias principais”, assim como “mais espaço público dedicado à mobilidade ativa e para estar e brincar”, acrescentou o embaixador para a mobilidade em Portugal do Pacto Climático Europeu.

“Os autarcas devem olhar para a população infantil como cidadãos com direito à liberdade, à independência e à segurança”, frisou o também coordenador da Ecomood Portugal - Associação para a Promoção Solidária da Sustentabilidade na Mobilidade Humana e um dos organizadores da “Kidical Mass”.

O Pacto Climático Europeu é uma iniciativa central do European Green Deal promovido pela União Europeia e tem por objetivo mobilizar as comunidades para investimentos, atividades e processos que sejam progressivamente menos dependentes dos combustíveis fósseis, promovendo a transição para modos de vida mais seguros e saudáveis, e para uma economia sustentável.

O “Kidical Mass” é um movimento global que procura responder e dar visibilidade à necessidade e vontade das famílias usarem modos ativos nas suas deslocações diárias, como a bicicleta, caminhar, patins ou skate.

Este movimento, que tem como mote “Espaço para a próxima geração”, exige a melhoria da infraestrutura ciclável e a pacificação das ruas, principalmente nas áreas envolventes escolares.

A iniciativa “Kidical Mass” decorre em toda a Europa, sendo que em Portugal realiza-se desde 27 de abril em mais de 30 locais, “com milhares de crianças e pais a manifestar-se por ruas mais seguras”.

A “Kidical Mass Portugal” tem em curso, desde 2022, quando o projeto arrancou no país, a petição “Cidades seguras para todas as pessoas”, dirigida ao Governo e parlamento, na qual pede a alteração do “limite máximo de velocidade de 50 Km/h para 30 km/h em áreas urbanas, onde o tráfego motorizado interage com peões e utilizadores/as de bicicleta”.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Estes iates de sonho a energia solar vão ser feitos com garrafas de plástico
Empresa portuguesa vai construir central de energia solar de 19 milhões de euros
5 formas de aproveitares as borras de café e dar-lhes uma nova vida