Sustentabilidade

Alerta: Portugal terá maiores e piores fenómenos extremos

Alterações climáticas vão continuar a provocar grandes fenómenos climáticos extremos em Portugal
Texto
Inundações em Alcântara, Lisboa (foto: António Pedro Santos/Lusa)
Inundações em Alcântara, Lisboa (foto: António Pedro Santos/Lusa)

As alterações climáticas não vão dar tréguas. A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) alertou que Portugal deve preparar-se para mais e piores fenómenos extremos, como os que causaram as inundações em Lisboa na passada quinta-feira, dia 28 de março. 

A região da Grande Lisboa registou 197 ocorrências no dia 28 de março devido ao mau tempo, incluindo quedas de árvore, inundações e quedas de estruturas, tendo-se ainda registado um fenómeno extremo de vento na bacia do Tejo.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera está a analisar o fenómeno, pois poderá configurar, do ponto de vista técnico, um tornado.

Em declarações à Lusa, o Vice-Presidente da APA, José Carlos Pimenta Machado referiu que “sempre houve inundações, mas nos anos mais recentes há uma frequência e uma maior severidade”, acrescentando que “o risco aumentou, por isso temos que viver com o risco e aumentar os projetos de proteção”.

José Carlos Machado sublinhou ainda que é essencial apostar na prevenção e no ordenamento do território. 

“Temos que preparar as cidades, territórios e infraestruturas para esta nova realidade, para viver com picos de precipitação, longos períodos de seca e ondas de calor”, disse o dirigente.

Pimenta Machado defendeu que Lisboa “está a fazer o seu caminho e bem”, dando como exemplo a implementação do plano geral de drenagem, que vai “drenar as zonas de mais vulnerabilidade”. 

Inundações - AWAY
Inundações em Lisboa em 2022 (foto: João Relvas/Lusa)

O plano, no valor 130 milhões de euros, prevê a construção de dois túneis de drenagem do excesso de água das chuvas para o rio Tejo, um com cinco quilómetros entre Campolide e Santa Apolónia e outro de um quilómetro, de Chelas ao Beato.

O dirigente sublinhou ainda a importância de “criar mais zonas verdes para aumentar a infiltração, aumentar as bacias de retenção”, e deu como exemplo a Praça de Espanha, que “já foi testada este ano e funcionou muito bem”.

Pimenta Machado mencionou também o plano para construir a barragem de Girabolhos, em Seia, para “permitir minimizar as cheias” na zona do Baixo Mondego.

Pelo contrário, sublinhou o vice-presidente da APA, o Algarve continua a atravessar “a pior seca de sempre”, apesar das recentes chuvas.

Pimenta Machado referiu também que Portugal já perdeu para o mar uma área de 12,2 quilómetros quadrados – “equivalente a 1.700 campos de futebol” – e que 20% da costa, 180 quilómetros, estão em risco de erosão costeira.

“Esta guerra entre a terra e o mar sempre existiu, mas é atualmente potenciada pelas mudanças climáticas”, alertou o dirigente.

Pimenta Machado defendeu a necessidade de “não aumentar as construções na costa” e de apostar em “colocar areia nas praias” em vez de, como no passado, em “muitas obras pesadas, esporões e quebra-mares”.

 

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Radares da PSP: vê onde vão estar na próxima semana de 22 a 28 de abril
Mundo vive branqueamento em massa de corais pela segunda vez em 10 anos
Vê como fica o preço dos combustíveis na próxima semana