Sustentabilidade

Aumento de florestas e pântanos na UE retira 310 milhões de toneladas de CO2

União Europeia discute lei que prevê expansão de zonas de absorção de CO2 para atingir neutralidade carbónica
Texto
UE quer mais florestas para capturar CO2 (Foto: Unsplash)
UE quer mais florestas para capturar CO2 (Foto: Unsplash)

A União Europeia (UE) está a analisar a hipótese de avançar com uma lei que obrigue a aumentar o número de zonas de absorção de dióxido de carbono (CO2). Expandido florestas, pântanos e mais, os países poderiam tornas as suas metas de redução de emissões de gases de efeito de estufa mais ambiciosas.

A legislação Regulamento de Uso do Solo, Alteração do Uso do Solo e Florestas (LULUCF na sigla em inglês) estabelece o objetivo de remoção de 310 milhões de toneladas de CO2 equivalente até 2030 através da utilização de solo, plantas, árvores, biomassa e madeira.

Os objetivos deverão ser definidos para cada um dos países membros de forma a que se possa ir aumentando a absorção e reduzindo as emissões. Caso a lei LULUCF avance, a partir de 2026, a captura de CO2 tem de ser superior às emissões.

Emissões de carbono - AWAY
Plano é atingir neutralidade carbónica até 2050 (Foto: M. Jozwiak/Unsplash)

Para aumentar a captura de carbono através de áreas para o efeito, os países teriam de, por exemplo, reativar antigas florestas ou gerar novas ou até mudar práticas agrícolas e plantar culturas com raízes mais longas.

Sendo a lei aprovada, pode fazer com que a UE aumente a meta de redução de emissões de gases de efeito de estufa de 55% em relação a 1990 para 57% até 2030. Esta legislação também ajudaria a que os estados-membros atingissem a neutralidade carbónica até 2050.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Tecnologia Nissan e-Power nos novos Qashqai e X-Trail
Vê onde vão estar os radares da PSP em dezembro
Portugal poderá vir a ter produção de hidrogénio verde em Gondomar