Sustentabilidade

Plataforma apoia produtores de vinho no Douro face às alterações climáticas

INFRAVINI reúne informação que ajuda viticultores a tomarem decisões para garantir resiliência das vinhas
Vinhas no Douro (Foto: A. Franca/AP)
Vinhas no Douro (Foto: A. Franca/AP)

Investigadores desenvolveram uma plataforma online que disponibiliza informação para apoiar os viticultores da Região Demarcada do Douro a criar medidas para mitigar os efeitos das alterações climáticas na vinha. A solução deverá começar a ser alargada a outras regiões produtoras de vinho.

O Douro é uma região que está a sofrer com o impacto das alterações climáticas e com a subida das temperaturas, e a videira é uma planta sensível às condições atmosféricas. A plataforma INFRAVINI foi criada tendo por base necessidades dos viticultores e dá as bases para ajudar a gerir o impacto das alterações climáticas.

A plataforma reúne, agrupa e trata informação de atores da região, de fontes externas como o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) e também de uma rede de sensores da região.

Uvas e vinhas no Douro (Foto: A. Franca/AP)

Assim são partilhados com os utilizadores indicadores hídricos – como a precipitação anual e o índice de secura –, e indicadores térmicos – como o índice de noites frias e a temperatura do mês mais quente. A plataforma congrega também a previsão do desenvolvimento fenológico em cada uma das estações meteorológicas

Através da rede de sensores, os viticultores podem consultar informação sobre a temperatura, precipitação, humidade, insolação, evapotranspiração e a velocidade do vento em cada uma das estações meteorológicas.

Graças à informação presente na INFRAVINI, os viticultores têm dados para suportar decisões do dia a dia, assim como relativas ao futuro, como a viabilidade da instalação de uma vinha em determinado espaço ou até como deve ser instalada para ser mais resiliente, explica um investigador que fez parte do projeto, à Lusa.

Douro (Foto: A. Franca/AP)

O projeto para a criação da plataforma no Douro arrancou em junho de 2019 e terminou em dezembro de 2021. Foi liderada pela GEODOURO e contou com investigadores da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência.

O próximo passo é alargar a plataforma a outras zonas para que possa ajudar viticultores a contornar o impacto das alterações climáticas nas vinhas.

Continuar a ler
Home
2022 é o ano com a segunda maior área ardida na Europa
Descobre este veículo de transporte coletivo autónomo e a hidrogénio
Colete salva-vidas de economia circular evita afogamentos