Sustentabilidade

Usam-se menos químicos prejudiciais na UE mas ainda é preciso reduzir mais

Para reduzir consequências sanitárias e ambientais, é essencial usar menos químicos prejudiciais
Texto
Produção de etanol na Europa usa grandes quantidades de trigo
Produção de etanol na Europa usa grandes quantidades de trigo

A União Europeia (UE) está a conseguir fazer a transição para químicos menos poluentes e tóxicos, mas ainda é preciso diminuir mais para se conseguir reduzir os efeitos ao nível da saúde e ambientais. O alerta é dado pela Agência Europeia do Ambiente. 

Em comunicado, a Agência Europeia do Ambiente dá conta de que o número de químicos industriais sob escrutínio “aumentou substancialmente” ao abrigo da legislação aprovada na UE, e que as autoridades têm hoje “mais conhecimento” sobre as propriedades prejudiciais dos químicos utilizados nos 27 países do bloco comunitário.

No entanto, continua a crescer a utilização de químicos cancerígenos, mutagénicos e tóxicos para a reprodução, ainda que a um ritmo menor.

No comunicado, a agência advertiu que “é preciso fazer mais com eficácia para assegurar que os produtos não contêm substâncias prejudiciais, por exemplo, químicos que têm consequências no sistema hormonal” ou substâncias que persistem no corpo, que são bioacumulativas e tóxicas e que representam perigo mesmo depois de deixarem de ser utilizadas.

A “biomonitorização humana” também é “uma oportunidade para perceber como é que a exposição humana a químicos de múltiplas origens” tem consequências para a saúde e que problemas estão associados à poluição química.

Citada no comunicado, a diretora executiva da agência, Leena Ylä-Mononen, advertiu que a saúde dos cidadãos da UE e do ambiente tem de ser “uma prioridade” e, apesar das influências positivas da utilização de químicos, “são precisas ações mais robustas” para mitigar os riscos da sua presença.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Estes iates de sonho a energia solar vão ser feitos com garrafas de plástico
Empresa portuguesa vai construir central de energia solar de 19 milhões de euros
5 formas de aproveitares as borras de café e dar-lhes uma nova vida