Mobilidade

Metrobus de Nantes mostra como serviço pode funcionar bem no Porto

Metro do Porto inspira-se em metrobus de Nantes para desenvolver serviço na cidade do norte
Texto
Novos autocarros a hidrogénio do Metro do Porto (foto: divulgação)
Novos autocarros a hidrogénio do Metro do Porto (foto: divulgação)

A Metro do Porto vai inspirar-se no modelo de 'metrobus' de Nantes para implementar o sistema em Portugal, sustentando-se nos dados da operação da cidade francesa, de acordo com o seu presidente, Tiago Braga.

"Ouvimos muitas críticas sobre aquilo que é o BRT [Bus Rapid Transit, vulgo 'metrobus', autocarro em via segregada], dizendo que o BRT não é um modo eficiente, que é uma redução do nível de qualidade da Metro do Porto, e aquilo que nós viemos aqui verificar é que isso não é verdade", disse Tiago Braga aos jornalistas em Nantes, França.

Uma comitiva da Metro do Porto, Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP, que operará o 'metrobus') e da Câmara do Porto visitou Nantes e o serviço da operadora local Semitan, com vista a retirar ilações para a sua operação entre a Casa da Música e a Praça do Império (e posteriormente Anémona), prevista arrancar este ano.

Metrobus no Porto - AWAY
Metrobus no Porto (foto: José Coelho/Lusa)

De acordo com os dados oficiais da Semitan apresentados à comitiva portuguesa, em Nantes o nível de satisfação dos clientes é superior no 'metrobus' (8,1 em 10) face ao 'tramway' (elétrico segregado, 7,3), tendo a cidade sido a primeira a implementar os dois sistemas em França.

"O BRT aqui em Nantes tem um índice de satisfação dos clientes superior ao próprio 'tram'. E a velocidade comercial que eles têm aqui, em média, é inferior àquela que nós temos, em termos de projeto, no nosso", disse Tiago Braga aos jornalistas.

No Porto, a velocidade prevista será de 22 quilómetros por hora (km/h), ao passo que o 'metrobus' de Nantes tem 21 km/h de velocidade comercial.

Nantes tem duas linhas de 'metrobus' com uma taxa de segregação do restante tráfego automóvel superior a 90%, bem como linhas de autocarro com segregação superior a 60%, além de uma rede de 'tramway' convencional, semelhante à operação à superfície da Metro do Porto.

No Porto, o 'metrobus' terá segregação total apenas na Avenida da Boavista, partilhando a via com o restante tráfego automóvel na Marechal Gomes da Costa, numa taxa de segregação que rondará os 70%, segundo Tiago Braga.

Metrobus no Porto - AWAY
Metrobus vai ligar a Casa da Música à Praça do Império (foto: José Coelho/Lusa)

Questionado sobre a ausência de uma ciclovia no troço mais a nascente da Avenida da Boavista, Tiago Braga reconheceu que "o futuro é a promoção da mobilidade suave", mas "não descurando que o coração de qualquer sistema de mobilidade é o sistema de transporte coletivo".

"O transporte coletivo é que é a solução para a mobilidade. Os modos suaves são modos complementares" para cidades como o Porto ou no anel central da sua área metropolitana, defendeu, ao contrário de locais onde já há "tradição da utilização da bicicleta".

Já quanto à falta de interfaces diretos quer na Casa da Música (onde os passageiros terão de percorrer cerca de 200 metros entre o 'metrobus' e o metro) quer na ligação da Anémona a Matosinhos Sul (500 metros), o presidente da Metro do Porto acredita que não inibirão a utilização do serviço.

"Eu acredito que não por uma razão muito simples: nós vemos a Avenida dos Aliados, a Trindade, a relação entre a própria estação de São Bento ferroviária e a nossa estação de São Bento de metro, as pessoas saem à superfície", referiu.

O novo serviço da Metro do Porto ligará a Casa da Música à Praça do Império (em 12 minutos) e à Anémona (em 17) em 2024, com recurso a autocarros a hidrogénio, estando previstas as estações Casa da Música, Guerra Junqueiro, Bessa, Pinheiro Manso, Serralves, João de Barros e Império, no primeiro serviço, e na secção até Matosinhos adicionam-se Antunes Guimarães, Garcia de Orta, Nevogilde, Castelo do Queijo e Praça Cidade do Salvador (Anémona).

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Parte do plástico em Portugal é reciclado com recurso a energia solar
Vais comprar pão? 6 dicas para aproveitares até à última migalha
Quanto tempo demora o Citroën ë-C4 X a percorrer 1000 quilómetros?