Energia

Parque gigante de energias renováveis na China afinal também usa carvão

Novo projeto vai permitir a produção de energia solar e eólica, assim como a carvão e vai dar eletricidade a Pequim, Tianjin e Hebei
Texto
Projeto de energias renováveis na China (Foto: António Garcia/Unsplash)
Projeto de energias renováveis na China (Foto: António Garcia/Unsplash)

Vai nascer na China um dos maiores projetos do mundo de energias renováveis numa região desértica. Mas, na verdade, não é totalmente alimentado a energias limpas. Com capacidade de 16 gigawatts (GW), este novo parque de energia solar e eólica, assim como de carvão, vai apoiar a transição energética e ajudar o país asiático a atingir os seus objetivos climáticos.

O projeto que implicará um investimento de 10,3 milhões de euros vai ficar localizado no deserto de Kubuqi, na Mongólia, e vai transmitir, anualmente, 40 mil milhões de kilowatt-hora (kWh) de eletricidade para as províncias de Pequim, Tianjin e Hebei, metade desta de fontes renováveis.

Energia solar - AWAY
Parque vai produzir energia solar e eólica (Foto: Darmau/Unsplash)

Será composto por 8 GW de energia solar, 4 GW de energia eólica e 4 GW de energia a carvão que irá ser ajustado às horas de pico para garantir estabilidade na rede.

Numa primeira fase, o projeto que está a ser desenvolvido por duas empresas, uma delas a China Three Gorges Corporation (que detém uma importante posição na EDP) irá incluir produção de energia solar com capacidade de 1 GW, assim como armazenamento de energia.

Energia eólica - AWAY
China está empenhada na transição energética (Foto: Kinder Media/Pexels)

A China tem planos para desenvolver 450 GW de projetos de energia renovável, sendo que inicialmente vai avançar com 95 GW. Até 2030, o país deverá ter 1200 GW de energia solar e eólica.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Europa bate recorde de produção de energia eólica e solar
Preço dos combustíveis com forte descida na próxima semana
Radares da PSP para o mês de fevereiro: onde vão estar em todo o país