Energia

EDP anuncia descida no preço da eletricidade já em janeiro

Anuncio de descida surge depois de a empresa ter sido a única no mercado livre a subir o preço da eletricidade em 2023
Texto
EDP anuncia descida do preço da eletricidade (foto: Joy Singh/Pexels)
EDP anuncia descida do preço da eletricidade (foto: Joy Singh/Pexels)

Depois de ter arrancado 2023 com um aumento no preço da eletricidade, a EDP Comercial anunciou uma redução em 2,5% no valor das tarifas. A descida entrou em vigor dia 11 de janeiro e está agora a ser comunicada aos clientes.

A redução do preço aplica-se apenas ao valor a pagar por kWh e não ao total da fatura, refere o Jornal de Negócios.

Eletricidade - AWAY
EDP subiu preço da eletricidade a 1 de janeiro de 2023

A decisão de reduzir o preço da eletricidade foi tomada “depois de analisadas as Tarifas de Acesso às Redes publicadas pela ERSE e uma vez que as condições tarifárias finais são diferentes das anunciadas na proposta de outubro, a EDP Comercial decidiu fazer uma redução no seu tarifário”, refere uma fonte oficial da empresa, citada pelo Expresso.

"Assim, para efeitos de comparação com as variações que tem sido anunciadas por outros comercializadores do mercado, a EDP Comercial vai descer a energia em 2,5% a partir de hoje, 11 de janeiro”, refere a empresa energética, de acordo com Jornal de Negócios.

Fatura de eletricidade - AWAY
Fatura da eletricidade da EDP tem descida (foto: Pexels)

A EDP Comercial foi a única comercializadora no mercado livre a anunciar uma subida no valor da fatura de eletricidade para 2023 de cerca de 3%. A Galp, por exemplo, reduziu o preço da eletricidade numa percentagem média de 11%.

No mercado regulado, o preço da eletricidade também teve um agravamento, subindo 1,6% face aos valores de dezembro de 2022.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Barco à vela produzido com algas e plástico reciclado inspira o futuro
Comer carne ou ser vegan? Qual a dieta com menos emissões de carbono?
Limitar o aquecimento global a 1,5ºC parece tarefa impossível diz novo estudo