Mobilidade

Lightfoot ajuda a rentabilizar frotas com boas práticas de condução

A Lightfoot criou uma forma de premiar condutores mais eficientes, otimizando a utilização de uma frota de veículos elétricos
Lightfoot (foto: Chuttersnap/Unsplash)
Lightfoot (foto: Chuttersnap/Unsplash)

A transição dos tradicionais modelos com motores de combustão interna para as novas soluções movidas a eletricidade é algo que já está na agenda de diversas empresas. No entanto, perante uma nova oferta de binário elevado proporcionada pelos motores elétricos, a tendência de muitos condutores é abusarem do pedal do lado direito, o que faz com que toda uma frota de veículos se possa tornar muito menos rentável.

A solução para este ponto, segundo a Lightfoot, é o seu novo sistema de monitorização de condução que poderá ser instalado em cada um dos veículos, com capacidade para ler funções como a utilização dos pedais, a velocidade e tantas outras que nos são disponibilizadas pelo computador do próprio carro.

Interior de um veículo elétrico (fonte: Jenny Ueberberg/Unsplash)

Depois de combinadas todas estas informações, o resultado será transformado numa pontuação que fará parte de um ranking de utilização de veículos elétricos. Todos os condutores que consigam um valor acima dos 85 por cento conquistarão o título de “Elite Driver” e têm acesso a uma espécie de lotaria que premeia um em cada dez condutores com um prémio monetário de 237 euros todas as semanas. 

Este tipo de motivação poderá contribuir para que a grande maioria dos condutores de automóveis elétricos de determinadas frotas possam aprender a conduzir de uma forma mais eficiente, algo que terá reflexo nos custos de manutenção de uma frota de automóveis.

Mark Roberts, CEO da Lightfoot (foto: divulgação)

A grande verdade é que não se pode investir milhões de libras numa frota de veículos elétricos, sem pensar primeiro nos condutores que a vão usar”, começou por dizer Mark Roberts, o CEO da Lightfoot, comentando ainda que “qualquer empresa que tente eletrificar a sua frota sem abordar a questão dos mais variados comportamentos dos seus motoristas terá uma surpresa desagradável. Os veículos elétricos funcionarão perfeitamente para os condutores que conseguem acelerar de uma forma mais suave e conduzir com sensatez, mas claro que vão sempre haver outros que vão abusar do acelerador e deixar que os seus maus hábitos tornem os veículos elétricos totalmente impraticáveis. E como gestor de uma frota, esta é uma situação impossível de gerir."

Para as empresas que possam estar interessadas, o sistema Lightfoot começa com um teste gratuito de oito semanas. Nas primeiras quatro semanas, os dados são registados, mas não divulgados. Nas quatro semanas seguintes, os resultados começam a ser partilhados em tempo real para que todos os intervenientes os possam consultar.

As diferenças entre estes dois períodos são mais do que óbvias e é o próprio Mark Roberts que nos conta que na maioria dos casos “apenas três por cento dos condutores chega ao estatuto de Elite Driver, mas que no modo Live, este valor sobe de imediato para os 80 por cento logo na primeira semana e mantem-se a longo prazo”. E claro que este comportamento influencia de imediato a eficiência de toda uma frota de veículos e os custos relacionados com a mesma.

Continuar a ler
Home
Petróleo russo afinal pode ainda não ser alvo de embargo na União Europeia
A diferença que pode fazer uma tampa na garrafa. Vê aqui o projeto da Coca-Cola
Saga de filme de ação automóvel "Velocidade Furiosa 10" em Portugal