Energia

Veículos a combustão após 2035 só com combustível sintético

A partir de 2035 os carros novos a combustão terão de utilizar combustíveis ecológicos
Texto
Rapariga a atestar carro (Freepik/fotomontagem AWAY)
Rapariga a atestar carro (Freepik/fotomontagem AWAY)

Depois de avanços e recuos, parece que a lei que define que a partir de 2035 apenas será possível comprar automóveis sem emissões na União Europeia (UE) vai mesmo avançar. Inicialmente, o objetivo era proibir a venda de veículos com motores a combustão interna, mas a UE vai criar uma exceção para carros movidos a combustíveis sintéticos ou ecológicos (também designados e-Fuel).

A lei já aprovada define que a partir de 2035, todos os carros novos vendidos têm de ser zero-emissões e já a partir de 2030, têm de ter emissões de dióxido de carbono (CO2) 55% mais baixas comparativamente aos valores de 2021.

Ainda assim, este não será o fim dos carros com motores a combustão interna. A Alemanha, que apoiou a lei durante meses, mudou a sua posição e pediu uma exceção para os combustíveis ecológicos.

motor verde - AWAY
Em 2035 motores a combustão só com combustíveis 100% livres de emissões de carbono (fotomontagem AWAY)

Depois de semanas, a UE acabou por ceder e comprometeu-se com a criação de uma rota legal que permita a venda de carros novos que se movam apenas a combustíveis verdes.

Estes combustíveis são considerados neutros em carbono porque são produzidos através da captura de CO2, explica a Reuters. Mas poderão ter um problema, pois, para já os custos são muito elevados.

A nova proposta deverá ser apresentada no outono de 2023, mas já se sabe que para estes carros poderem ser vendidos têm de incluir uma tecnologia que garanta que não andam quando colocada gasolina ou gasóleo.

 

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Comboios que levitam na linha? Empresa italiana está a testar tecnologia
Radares da PSP. É aqui que vão estar na semana de 24 a 30 de junho
Visita à fábrica da Nissan: sustentabilidade em destaque na produção do Qashqai