Energia

Bombas de calor: Bosch investe €100 milhões na produção em Aveiro

Bosch torna unidade de Aveiro num importante centro de desenvolvimento e produção de bombas de calor
Texto
Produção de bombas de calor Bosch em Aveiro (foto: divulgação)
Produção de bombas de calor Bosch em Aveiro (foto: divulgação)

No caminho da sustentabilidade ambiental, melhoria da eficiência térmica e descarbonização dos edifícios, as bombas de calor podem ter um papel importante. Ciente disso a multinacional Bosch prepara um investimento de 100 milhões de euros nas instalações em Aveiro, até 2026.

A convite da Bosch Portugal a AWAY foi até Aveiro para perceber o que está a ser planeado e de que forma as bombas de calor querem conquistar o seu espaço no mercado da tecnologia verde. Para já está anunciado um investimento mundial superior a mil milhões de euros na expansão da rede (até final da década), com uma parcela de €100 milhões (até 2026) destinada a Aveiro.

A experiência da empresa alemã nesta área não é propriamente recente. A Bosch Home Comfort lançou a sua primeira bomba de calor na década de 1970 e em especial desde 2006, altura em que adquiriu o fabricante sueco IVT, a empresa tem vindo a desenvolver os produtos, num processo de melhoramento constante, com foco na eficiência e melhoria em termos de sustentabilidade.

bosch - away
Unidade da Bosch em Aveiro (foto: divulgação)

Bomba de calor made in Aveiro

As tecnologias de aquecimento de água têm sido um dos pontos de destaque da unidade da Bosch em Aveiro, onde a elevada experiência na produção de esquentadores (a Vulcano nasceu aqui em 1977) é elogiada como fundamental para os novos desafios.

Com laboratórios de pesquisa e desenvolvimento (R&D), manufatura, vendas e logística, Aveiro cumpre todo o ciclo desde a investigação, produção e ligação ao consumidor, sendo por isso considerado um dos centros de competência da Bosch no que respeita às águas quentes. Portugal é igualmente um importante centro estratégico com ligações entre a Europa, América e África (exportações para mais de 40 países).

Com o investimento de 100 milhões de euros agora anunciado, a unidade de Aveiro irá ver nascer um laboratório, novos edifícios e linhas adicionais de produção de bombas de calor. A empresa assegura que estes fundos irão igualmente permitir aumentar a atual força de 1.496 colaboradores em várias centenas de novos funcionários e crescer o atual volume de faturação da unidade, que em 2022 situou-se em 365,3 milhões de euros.

A aposta no R&D irá permitir passar de um laboratório, com três câmaras de teste de som e 14 climáticas, para um total de 18 climáticas (incluindo simulação em temperaturas gélidas) e uma área de teste EMC (testes eletromagnéticos).

A unidade de Aveiro irá fabricar (em conjunto com Eibelshausen na Alemanha e Tranas na Suécia) as unidades exteriores e as unidades interiores para as bombas de calor Compress 5800i AW e Compress 6800i AW da próxima geração, desenvolvidas em conjunto por equipas locais e de Wernau (Alemanha).

Bosch - away
Produção de bombas de calor Bosch em Aveiro (foto: divulgação)

Como funciona uma bomba de calor

As bombas de calor conseguem fornecer calor, arrefecimento e água quente, recorrendo a fontes de energia renovável, nomeadamente utilizando a energia do solo, das águas subterrâneas ou do ar para fornecer uma climatização mais ecológica.

Nas soluções de bombas de calor ar-água, o ar exterior é utilizado como fonte de energia. Para o aquecimento das águas sanitárias pode-se alcançar poupanças de até 70% de energia com a utilização de uma bomba de calor, com a vantagem de ter fornecimento de água quente durante todo o ano, independente da temperatura exterior.

As bombas de calor que vão sair de Aveiro serão particularmente silenciosas e a utilização do gás propano como refrigerante ecológico e não tóxico (não provoca efeito de estufa) confere uma importante vantagem ambiental à nova geração destes aparelhos (Compress 5800i/6800i AW).

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Borras de café vão ser usadas para dar vida a solos lisboetas
Preço dos combustíveis na próxima semana de 22 a 28 de julho
Projeto português cria vidro que produz eletricidade a partir da luz solar