Sustentabilidade

Do mar para a torneira: ISQ e Arábia Saudita estudam dessalinização

ISQ firma acordo com Arábia Saudita para promover dessalinização em Portugal
Texto
Central de desalinização, Arábia Saudita (foto: Fayez Nureldine/AFP/GettyImages)
Central de desalinização, Arábia Saudita (foto: Fayez Nureldine/AFP/GettyImages)

A escassez de água é um problema global e crescente. Portugal tem tido vários alertas devido a períodos de seca extrema e é cada vez mais imperativo pensar em novas soluções de aproveitamento e fornecimento de água às populações, agricultura e municípios.

Para responder a esta carência, que as alterações climáticas parecem sublinhar, surge como uma solução a dessalinização, um processo que permite a transformação de água do mar em água doce.

Ciente da necessidade de desenvolver e promover a dessalinização em Portugal, o ISQ acaba de estabelecer uma parceria com a universidade da Arábia Saudita, a King Abdullah University of Science and Technology (KAUST).

algarve - away
Bacia com água no Algarve (Foto: B. Freeman/Flickr)

Neste âmbito, depois de promover uma missão empresarial à Arábia Saudita, o ISQ trouxe a Portugal investigadores do “Centro de Dessalinização e Reutilização da Água” (WDRC) da Kaust para promover troca de conhecimentos, debater tendências e desafios, bem como, desenvolvimento de soluções que visem a promoção da temática.

No encontro promovido pelo ISQ estiveram ainda presentes várias entidades públicas e privadas que estão atentas a esta matéria como a EDP, a GALP, as Camaras Municipais de Albufeira, Mafra, Loulé, Sintra, Setúbal e ainda a AHETA - Associação de Hotéis do Algarve e as Águas de Santo André.

Dessalinização, uma solução para o Algarve?

O ISQ dá como exemplo o Algarve como uma zona onde a dessalinização (quando arrancar) pode dar um contributo fundamental para a economia e bem-estar da região.

O Algarve consome mais de 230 milhões de m3 de água por ano e com uma central dessalinizadora cerca de 1/3 dessa água poderia ser “produzida” a partir de água do mar, indicam os responsáveis do ISQ.

Para a zona algarvia, onde o turismo é peça fundamental na economia, mas urge ser complementado com atividades não sazonais e que permitam diversificação, o abastecimento de água é fulcral.

isq - away
Visita Kaust ao ISQ (foto: divulgação)

Por isso mesmo está em debate desde 2022 a construção de uma central de dessalinização no Algarve possivelmente em Albufeira. Atualmente a tecnologia está muito mais madura e há um caminho crítico que é possível fazer mais rapidamente aprendendo com países como a Arabia Saudita, Israel ou mesmo Espanha que estão muito adiantados nesta matéria”, refere Pedro Matias, presidente do ISQ.

No caso da Arábia Saudita, atualmente, metade do abastecimento de água doce - um país com 33 milhões de habitantes e dos mais secos do planeta - é feito com água dessalinizada.

O abastecimento da própria Universidade de KAUST é feita com esta água. Nos processos de dessalinização modernos são conjugadas também fontes de energia renovável para obviar o consumo necessário de energia.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Hyundai apresenta primeiro camião a hidrogénio com condução autónoma
Segurança rodoviária: 9 peças de roupa a evitar quando se está ao volante
Projeto português cria vidro que produz eletricidade a partir da luz solar