Energia

Portugal bateu três recordes na área de energias renováveis em 2023

Setor de energia já não é o principal responsável pelas emissões em Portugal
Texto
Energias renováveis (foto: JComp/Freepik)
Energias renováveis (foto: JComp/Freepik)

Portugal alcançou em 2023 um recorde de produção de energia renovável, o que permitiu reduzir as emissões de gases poluentes na produção de eletricidade para o nível mais baixo de que há registo, anunciou hoje a Zero.

Depois de a empresa Redes Energéticas Nacionais (REN) ter anunciado que o país bateu o recorde de produção de energia de fontes renováveis em 2023, a associação ambientalista Zero salienta hoje em comunicado que nesse ano se bateram três recordes na área da energia: mais produção de renovável, mais dias seguidos só com renovável e menores emissões de sempre.

Setor da energia já não é o principal responsável pelas emissões em Portuga, refere Zero

Na sequência do anúncio da REN, de que a produção renovável abasteceu 61% do consumo de energia elétrica em Portugal no ano passado, o valor mais elevado de sempre, a Zero estimou as emissões de dióxido de carbono (CO2), o principal gás responsável pelo aquecimento global.

As contas revelam um recorde muito significativo, da ordem de 3,7 milhões de toneladas de dióxido de carbono, o valor mais baixo pelo menos desde 1990, o primeiro ano em que Portugal reportou as emissões de gases com efeito de estufa”, diz a associação. Em 2022, as emissões de CO2 tinham sido de 6,1 milhões de toneladas.

Além dos dois recordes, a Zero especifica outro: durante seis dias seguidos, entre 31 de outubro e 06 de novembro, o consumo do país foi assegurado por eletricidade exclusivamente renovável.

Para se chegar a estes números, lembra a associação, encerraram as duas centrais termoelétricas de carvão, que com as centrais a gás natural produziam anualmente entre nove e 17 milhões de toneladas de CO2.

As emissões são agora provenientes da operação das quatro centrais de ciclo combinado a gás natural de Lares, Pego, Ribatejo e Tapada do Outeiro, cujo decréscimo de produção entre 2022 e 2023 foi de 43 por cento”, explicam os ambientalistas.

A Zero conclui assim que o setor da energia deixa de ser o principal responsável pelas emissões, passando o pódio para o transporte rodoviário como o principal responsável por emissões de CO2 em Portugal.

No comunicado, a Zero alerta ainda para a necessidade de políticas fortes nas áreas da eficiência energética e da redução do consumo, questiona a necessidade de manter a central a gás natural da Tapada do Outeiro após o fim do contrato de aquisição de energia (em março), e pede rapidez nos investimentos nas redes de transportes e distribuição de energia elétrica, para suportarem mais produção de eletricidade de fontes renováveis.

Além de se desenvolverem as infraestruturas de armazenamento, é importante também acelerar na produção de energia renovável, sempre ouvindo as populações e com decisões transparentes, alerta ainda a Zero.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Parte do plástico em Portugal é reciclado com recurso a energia solar
Vais comprar pão? 6 dicas para aproveitares até à última migalha
Quanto tempo demora o Citroën ë-C4 X a percorrer 1000 quilómetros?