Mobilidade

Novo elétrico Zeekr 001 é caso de sucesso na china. Chegará a Portugal em 2023?

Começou a ser produzido em outubro e já foram entregues mais de 2000 unidades na China. Zeekr 001 deverá chegar a outros mercados dentro de 2 anos
Texto

São de felicidade os momentos que nesta altura se vivem para os lados da Zeekr, marca de automóveis elétricos pertencente aos chineses da Geely Holding Group. Tudo porque já foram entregues aos clientes mais de duas mil unidades do seu, até agora, único modelo, o coupé 001. Um número assinalável, tendo em conta que a marca surgiu há apenas oito meses.

O modelo elétrico, apresentado pela primeira vez no Salão de Xangai deste ano e em produção desde outubro, só está a ser comercializado na China e assim se manterá até 2023, altura em que a Zeekr se irá expandir para outras regiões do globo. Tem um preço médio de 47 mil euros e será o topo de gama da marca, quando esta lançar os seis novos modelos que tem previstos para os próximos cinco anos.

Produzido sobre uma plataforma para veículos elétricos partilhada pelo Geely Holding Group, o Zeekr 001 está equipado com dois motores elétricos que debitam 400 kw de potência e um binário de 768 Nm. Em aceleração, atinge os 100 Km/h em 3,8 segundos e, em travagem, vai dessa velocidade até ficar totalmente imóvel em 34,5 metros.

A bateria de 100 kWh dá ao Zeekr 001 uma autonomia de 712 km (ciclo NEDC, usado na China) e, em carregamento, necessita de apenas 30 minutos para ir dos 10% aos 80% de capacidade.

Apesar do potencial e das intenções de internacionalização a verdade é que até ao momento ainda não há certezas de data eventual de comercialização na Europa ou de possível entrada em mercados como o português. Mas com este sucesso o melhor é ficar atento ao crescimento desta marca.

 

 

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Ponte Vasco da Gama encerrada ao trânsito na próxima madrugada
O futuro pode não ter sequer volante e vai ser mais sustentável
Combustíveis: gasóleo e gasolina descem segunda-feira... mas pouco