Mobilidade

Baterias recicladas poderão ter melhor desempenho do que baterias novas?

Estudo apresentou técnica de reciclagem que permite que baterias recicladas tenham melhor desempenho do que as baterias novas
Texto
Bateria de Lítio (Foto: EDF)
Bateria de Lítio (Foto: EDF)

Nos últimos anos, o lítio, essencial para a construção de baterias, tem estado no centro de várias discussões, em parte por causa da elevada procura. A verdade é que todas as operações de extração de lítio ativas de momento não são suficientes para dar resposta à procura para desenvolvimento de baterias para gadgets, mobilidade elétrica e até para armazenamento de energia provenientes de fontes renováveis.

A procura aumenta, mas a capacidade de resposta não acompanha. Isto porque para além de se demorar anos a conseguir criar um novo projeto de mineração, tem havido muita contestação já que as técnicas usadas são muitas vezes consideradas altamente poluentes.

Uma das soluções apontadas para ajudar a dar resposta a esta crescente procura e ajudar a tornar o processo mais sustentável é a reciclagem de baterias.

Há já quem o esteja a fazer. A Northvolt, por exemplo, anunciou no final de 2021 que tinha produzido a primeira célula de bateria completamente reciclada. No entanto, a reciclagem de baterias ainda tem levantado várias preocupações e uma das principais prende-se com a qualidade final de uma bateria reciclada comparativamente a uma bateria nova.

Agora, de acordo com a Scientific American, um estudo publicado na revista científica Joule e intitulado “Materiais catódicos reciclados permite desempenho superior para baterias de iões de lítio” revela que cientistas criaram um método faz com que as baterias recicladas tenham melhor desempenho do que as baterias novas, carregando mais rápido e durando mais tempo.

Processo novo de reciclagem permite que baterias recicladas carregam mais rápido e duram mais tempo do que novas.

O processo normal de reciclagem implica que as baterias sejam desmanteladas e derretidas ou dissolvidas com ácido. Do resultado – normalmente um pó ou uma matéria viscosa – são retirados os elementos químicos e componentes que depois passam pelo processo de fabricação normal.

O método apresentado no estudo difere uma vez que mantém a composição de alguns elementos e recicla-os de forma separada. É assim possível criar partes de bateria mais porosos e que, por isso, têm melhor desempenho.

O processo será agora adaptado para maior escala pela Ascend Elements, uma empresa de reciclagem.

(Fotos: EDF, Pexels e Unsplash)

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Vai nascer uma mega central solar fotovoltaica no Alto Alentejo
Preço dos combustíveis desce na próxima semana 12 a 18 de dezembro
Tecnologia Nissan e-Power nos novos Qashqai e X-Trail