Sustentabilidade

Mundo vive branqueamento em massa de corais pela segunda vez em 10 anos

NOAA alerta para episódio em massa de branqueamento de corais devido a temperaturas dos oceanos
Texto
Corais (Foto:H. Yoshii/Unsplash)
Corais (Foto:H. Yoshii/Unsplash)

O mundo está a passar pelo segundo episódio em massa de branqueamento de corais em dez anos devido às temperaturas recordes dos oceanos.

O alerta foi dado pela agência norte-americana de observação oceânica e atmosférica (NOAA) que referiu que este declínio ameaça a sobrevivência dos recifes de coral em todo o mundo, incluindo a Grande Barreira de Corais, perto da Austrália.

“À medida que os oceanos continuam a aquecer, o branqueamento dos corais torna-se mais frequente e severo”, alertou Derek Manzello, coordenador do Observatório de Recifes de Coral da NOAA.

Ligado ao aumento da temperatura da água, este processo que resulta na descoloração pode levar à morte destes organismos vivos em caso de exposição prolongada ou severa ao stress térmico.

Mas o fenómeno pode ser reversível: os corais afetados podem sobreviver se as temperaturas baixarem e outros fatores de stress, como a pesca excessiva ou a poluição, forem reduzidos.

O atual episódio de branqueamento é o quarto registado pela NOAA desde 1985. Os anteriores foram observados em 1998, 2010 e 2016.

A NOAA estima que o planeta já perdeu 30 a 50% dos seus recifes de coral e que estes poderão, sem grandes alterações, desaparecer completamente até ao final do século.

Coral - AWAY
Corais (foto: Francesco Ungaro/Unsplash)

A temperatura dos oceanos, que desempenham um papel fundamental na regulação do clima global, atingiu um novo recorde absoluto em março, com uma média de 21,07°C medida na superfície, excluindo áreas próximas dos polos, segundo o Observatório Europeu Copernicus.

As colónias de corais são compostas por pequenas criaturas chamadas pólipos, que produzem um exoesqueleto de calcário. As ondas de calor matam os animais simplesmente pelo excesso de calor ou pela expulsão dos seus corpos das algas que lhes fornecem nutrientes: isto é o branqueamento dos corais.

“De fevereiro de 2023 a abril de 2024, foi observado um branqueamento significativo de corais nos hemisférios norte e sul de cada grande bacia oceânica”, vincou Derek Manzello da NOAA.

As consequências de tais fenómenos são múltiplas: afetam os ecossistemas oceânicos, mas também as populações humanas, impactando a sua segurança alimentar e as economias locais, particularmente o turismo.

Segundo a WWF, cerca de 850 milhões de pessoas em todo o mundo dependem dos recifes de coral para a sua alimentação, o seu trabalho e até mesmo para a proteção das costas.

Desempenham também um papel importante nos ecossistemas marinhos, onde mais de um quarto das espécies marinhas fixaram residência.

Os recifes de coral constituem assim “um exemplo visual e contemporâneo do que está em jogo com cada fração de grau de aquecimento”, sublinhou Pepe Clarke da WWF.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Legumes e frutas a estragar? Vê como prolongar a sua vida e evitar que acabem no lixo
Vais para o Algarve? Vê se a tua praia perdeu o selo de 'Qualidade de Ouro'
5 dicas para usares tecnologia de forma ambientalmente responsável