Atualidade

Investimento na proteção do ambiente aumentou 18% em 2021 em Portugal

Aumento da despesa em proteção do ambiente deve-se a dois domínios: gestão dos resíduos e gestão das águas residuais
Texto
Ilha do Pico, Açores (foto: Kevin et Laurianne/Unsplash)
Ilha do Pico, Açores (foto: Kevin et Laurianne/Unsplash)

A despesa nacional em proteção do ambiente (DNPA) aumentou 18% em 2021, superando a evolução nominal do produto interno bruto (PIB), que foi de 7,7%, segundo dados oficiais.

O aumento, indicam dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), deveu-se às variações positivas nas principais componentes: despesa de consumo final (20,8%), consumo intermédio (22,6%) e investimento (6,1%).

“Todos os setores institucionais da economia contribuíram para esta evolução positiva. Nas Sociedades, responsáveis por 60,0% da DNPA, observou-se um crescimento de 24,0%, nas Administrações Públicas e nas Instituições sem fim lucrativo ao serviço das famílias o aumento foi de 6,0%, e nas Famílias foi de 17,2%”, indica o INE.

Segundo o instituto, os dois domínios do ambiente mais relevantes para a DNPA explicam o comportamento positivo: na gestão dos resíduos, responsável por 44,7% do valor total, observou-se um crescimento de 20,5%, e na gestão das águas residuais (que contribuiu com 29,9% para a despesa total) o aumento foi de 18,0%.

Em 2021, o peso da DNPA no PIB (1,8%) situou-se abaixo da média da União Europeia (UE) (2,2%). A despesa por habitante em Portugal foi quase metade da média da UE.

À exceção de 2017, a DNPA tem aumentado em termos nominais desde 2014. Em 2021 situava-se nos 3,9 mil milhões de euros.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Estes iates de sonho a energia solar vão ser feitos com garrafas de plástico
Empresa portuguesa vai construir central de energia solar de 19 milhões de euros
5 formas de aproveitares as borras de café e dar-lhes uma nova vida