Mobilidade

Controlo de velocidade e fiscalização nas estradas até 22 de janeiro

"Viajar sem pressa" é a primeira de 12 campanhas planeadas para este ano
Texto
Sinistralidade nas estradas portuguesas (Foto: TVI)
Sinistralidade nas estradas portuguesas (Foto: TVI)

A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), a PSP e a GNR lançam hoje, 16 de janeiro, a campanha “Viajar sem pressa”, que decorre até dia 22 e visa alertar contra os riscos do excesso de velocidade.

Inserida no Plano Nacional de Fiscalização (PNF) de 2024, esta é a primeira das 12 campanhas de sensibilização e de fiscalização planeadas para este ano, a realizar mensalmente, indicou a PSP em comunicado.

No âmbito da campanha “Viajar sem pressa”, a ANSR realizará ações de sensibilização em todo o país, enquanto as operações de fiscalização, “com especial incidência em vias e acessos com elevado fluxo rodoviário”, ficam a cargo da Polícia de Segurança Pública e da Guarda Nacional Republicana.

O excesso de velocidade “é uma das principais causas dos acidentes nas estradas”, sendo o primeiro responsável por “um terço de todos os acidentes mortais”, assim como “por mais de 60% das infrações registadas”.

Reafirmando que “a probabilidade de existirem vítimas mortais aumenta em função da velocidade a que circulam os veículos”, a ANSR, a PSP e a GNR precisam que “se um veículo circular a 30 km/h (quilómetros por hora), a probabilidade das consequências de um atropelamento serem mortais é de 10%”, atingindo os 80% se a velocidade aumentar para 50 km/h.

Assinalam igualmente que “numa viagem de 20 km, aumentar a velocidade de 50 para 60 km/hora, permite ganhar apenas quatro minutos”.

O PNF de 2024 tem como temas prioritários a velocidade, o álcool, os acessórios de segurança e o telemóvel, tal como o do ano anterior, aos quais se junta “a fiscalização dos veículos de duas rodas a motor”.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Dicas para enfrentar o frio sem gastar muito dinheiro
Um dos relógios mais sustentáveis é feito com materiais reciclados
E se pudesses comer a colher? Esta é em bolacha impressa em 3D