Atualidade

Quanto rendem ao Estado os radares de controlo de velocidade?

Receitas provenientes dos radares de velocidade está abaixo do previsto, refere ministro da Administração Interna
Texto
Radar em Lisboa (foto: AWAY/DR)
Radar em Lisboa (foto: AWAY/DR)

O ministro da Administração Interna disse nesta segunda-feira que a execução das receitas provenientes dos radares de controlo de velocidade nas estradas portuguesas “têm estado abaixo das previsões”, rondando os 70 milhões a 80 milhões de euros.

Na cerimónia de assinatura do Compromisso Visão Zero 2030 entre a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária e a Brisa Autoestradas, inserido na Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária – Visão Zero 2030, José Luís Carneiro afirmou que a execução das receitas dos radares de velocidade, que rondam os 70 milhões a 80 milhões de euros, “terá estado abaixo das previsões”.

O ministro explicou que “a execução passada mostra que a execução da cobrança das contraordenações e das suas receitas estavam abaixo daquilo que era a previsão”, sendo por isso “preciso ter consciência de quando se olha para uma previsão orçamental ela é diferente e diversa daquilo que depois é a execução orçamental”.

O governante frisou que “era bom” se não houvesse cobrança, significando que os automobilistas cumpriam “os seus deveres e as condutas adequadas à segurança rodoviária”.

“Era sinal de que efetivamente cumpriu os limites da velocidade e de que não havia necessidade de haver cobrança das contraordenações rodoviárias”, precisou, destacando o facto de uma parte das receitas dos radares passarem a ser canalizadas para a remoção de pontos negros nas estradas da responsabilidade das autarquias.

A remoção dos pontos negros nas estradas nacionais e municipais é uma das vertentes da Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária, que tem como objetivo reduzir em 50% o número de mortos e feridos graves nas estradas até 2030.

Esta estratégia, que não foi aprovada pelo Governo, tem ainda como domínios atuar nas atitudes e comportamentos dos condutores, nomeadamente na velocidade, álcool e uso do telemóvel ao volante, que são a principal causa dos acidentes, e no socorro após os desastres.

Questionado sobre o futuro desta estratégia, uma vez que ainda não foi aprovada e o Governo entra esta semana em gestão, José Luís Carneiro disse que “as linhas mestras essenciais estão a ser implementadas”, sendo exemplo disso o acordo subscrito nesta segunda-feira entre a ANSR e a Brisa.

Para o ministro, seria um erro caso o novo Governo não avance com a Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária, uma vez que “há muito trabalho feito por centenas de entidades”, nomeadamente internacionais.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Parte do plástico em Portugal é reciclado com recurso a energia solar
Vais comprar pão? 6 dicas para aproveitares até à última migalha
Quanto tempo demora o Citroën ë-C4 X a percorrer 1000 quilómetros?