Energia

Renováveis asseguram 61% da energia elétrica de janeiro a junho

Energia renovável reduziu peso face ao período de janeiro a maio, com junho a penalizar solar e eólica
Texto
Energias renováveis: hidroelétrica (foto: REN/Divulgação)
Energias renováveis: hidroelétrica (foto: REN/Divulgação)

O mês de junho não permitiu que as energias renováveis ganhassem terreno no fornecimento de energia e o total acumulado de abastecimento no semestre situa-se agora em 61% do consumo de energia elétrica.

De acordo com o comunicado da REN, em junho, ainda assim o regime hidroelétrico foi mais favorável, registando 1,11 (média histórica de 1), enquanto nas eólicas e fotovoltaicas se verificaram condições abaixo dos regimes médios, com os índices a registarem 0,81 e 0,97, respetivamente. A produção renovável abasteceu 46% do consumo e a produção não renovável e a energia importada 27% cada.

Já no que respeita ao acumulado, de janeiro a junho, o índice de produtibilidade hidroelétrica registou 0,79 (média histórica de 1), o de produtibilidade eólica 0,92 e o de produtibilidade solar 1,07. Neste período, a produção renovável abasteceu 61% do consumo, repartida pela eólica com 25%, a hidroelétrica com 23%, a fotovoltaica com 7% e a biomassa com 6%. A produção a gás natural abasteceu 19% do consumo, enquanto os restantes 20% corresponderam ao saldo importador.

  • Dados de janeiro a maio revelavam que a produção renovável abasteceu 63% do consumo, pelo que existiu um recuo de 2% no acumulado

Já no mercado de gás natural registou-se uma variação negativa homóloga em junho de 19%. O segmento convencional recuou 6,5% e o segmento de produção de energia elétrica caiu 32%. A quebra no segmento de produção de energia elétrica deveu-se à maior disponibilidade de energia renovável, dado que não se verificou uma alteração significativa do saldo importador. Em junho o abastecimento nacional efetuou-se integralmente a partir do terminal de GNL de Sines, com o saldo de trocas através da interligação com Espanha a registar exportações equivalentes a cerca de 22% do consumo nacional.

No 1º semestre, o consumo acumulado anual de gás natural registou uma contração de 21%, resultado de quebras de 4,9% no segmento convencional e de 42% no mercado elétrico. Trata-se do consumo mais baixo desde 2016 para o primeiro semestre do ano.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Vais poder andar de táxi aéreo em breve. Primeiro eVTOL já foi entregue a cliente
Podes ser multado por levares o teu cão sem cinto de segurança no carro? Conhece as regras
Mais uma marca chinesa em Portugal. XPeng chega já este ano