Mobilidade

Conduzimos menos, mas gostamos mais do nosso carro? Estudo indica que sim

Investigação confirma a perceção generalizada de que a pandemia alterou os hábitos de condução da maioria dos automobilistas
Texto
Pessoas conduzem menos, mas gostam mais do seu carro
Pessoas conduzem menos, mas gostam mais do seu carro

Em que medida a pandemia de covid-19 alterou a nossa relação com os automóveis e os nossos hábitos de condução? Dois anos volvidos da primeira fase de confinamento provocado pela doença que mais afetou a população mundial nas últimas décadas, e numa altura em que se readquirem as rotinas habituais, a pergunta assume a sua pertinência.

Se em Portugal não há dados concretos sobre o tema, olhemos para o que se passa em outros mercados europeus, em concreto para o britânico, à boleia de um estudo que envolveu automobilistas daquela região do globo e que, desde logo, aponta para o facto de o “amor” pelo carro próprio ter crescido.

Entre todos os automobilistas inquiridos, 76% garantem que estão a percorrer menos quilómetros e que conduzem com menor frequência. Em particular, no que diz respeito à condução nos trajetos casa-trabalho e trabalho-casa, a investigação revela que 25% dos condutores circulam menos de carro, muito pelo facto de continuarem a trabalhar (parcialmente) a partir de casa. No entanto, o aumento do trabalho híbrido não alterou em nada os hábitos de condução de 71% dos condutores.

Embora a maioria dos condutores circule menos de automóvel comparativamente ao período pré-pandemia, o dado verdadeiramente interessante e curioso da investigação conduzida na Grã-Bretanha é o de que um terço dos inquiridos revela que aprecia o seu automóvel mais do que nunca, em concreto 34%.

O que explica então que o tempo passado ao volante e o apreço pelo carro próprio sigam tendências opostas? Em primeiro lugar, destacados, os fatores da liberdade e da independência. Estes foram apontados como os principais, muito acima de outros como a conveniência, a praticidade ou mesmo o desejo de manter a distância social, evitando os transportes públicos.

Menos mencionados como motivos que explicam o facto de os automobilistas inquiridos gostarem de ter um veículo particular, surgem a maior privacidade (face aos transportes públicos) e, ainda mais abaixo na tabela, a questão do estatuto que essa propriedade pode trazer.

(Fotos: divulgação e Unsplash)

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Radares da PSP. É aqui que vão estar na semana de 17 a 23 de junho
Hyundai apresenta primeiro camião a hidrogénio com condução autónoma
Segurança rodoviária: 9 peças de roupa a evitar quando se está ao volante