Atualidade

Chuva forte e inundações. Vê aqui quais as estradas cortadas em Lisboa

Fortes condicionamentos, cortes pontuais de vias e muita confusão é expectável para toda a grande região de Lisboa
Texto
Inundações em Lisboa, 7 de dezembro (foto: António Pedro Santos/Lusa)
Inundações em Lisboa, 7 de dezembro (foto: António Pedro Santos/Lusa)

O apelo é da proteção civil e é dirigido a todos os cidadãos em especial residentes nos distritos de Setúbal e Lisboa: se puderes fica em casa. As fortes chuvas de toda a madrugada provocaram, até às 6 horas desta manhã, cerca de 275 ocorrências.

Hoje, dia 13 de dezembro, vai ser um dia muito complicado. A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) alertou para os fortes condicionamentos de trânsito nos acessos a Lisboa, com inundações e lençóis de água que já obrigaram ao corte de dezenas de vias.

Algumas das principais vias de circulação estão já bastante condicionadas ou mesmo com impedimento de trânsito, como serão os casos pontuais em vias como o IC19, IC20 ou a CRIL.

Há igualmente fortes condicionamentos e cortes em estradas como a N117 (Queluz-Agés), N8, N215 em Loures, junto ao IKEA, no acesso da A8 a Loures, na N115 no Mexial, na N9 em Torres Vedras e na Calçada da Carriche, em Lisboa. A Radial de Benfica e a Segunda Circular também estão condicionadas.

Os problemas de circulação estendem-se à zona ribeirinha de Lisboa, entre Chelas e o Beato.

O acesso à Ponte 25 de Abril pela avenida de Ceuta, em Lisboa, também está cortado, segundo a proteção civil, que assume que com os picos de precipitação vai demorar a escoar a água da chuva e pede cuidados redobrados a quem tem mesmo que circular por causa dos lençóis de água.

Nota: Para atualizações sobre os alertas poderás consultar o site da proteção civil.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Barco à vela produzido com algas e plástico reciclado inspira o futuro
Comer carne ou ser vegan? Qual a dieta com menos emissões de carbono?
Limitar o aquecimento global a 1,5ºC parece tarefa impossível diz novo estudo