Energia

Espanha começa processo para desmantelar central nuclear de Almaraz

Central nuclear próxima da fronteira com Portugal deverá ser desmantelada no prazo de cinco anos
Texto
Central nuclear de Almaraz (foto: Foro Nuclear, Flickr)
Central nuclear de Almaraz (foto: Foro Nuclear, Flickr)

A empresa pública espanhola Enresa, responsável pela gestão dos resíduos radioativos, anunciou o início do processo de concurso para serviços de engenharia destinados ao desmantelamento da central nuclear de Almaraz, situada na província de Cáceres, perto da fronteira com Portugal. 

Segundo a agência de notícias espanhola EFE, a Plataforma de Contratação Pública incluiu o anúncio prévio deste concurso, cujo orçamento base é de 28 milhões de euros e um prazo de execução de cinco anos.

O objeto do contrato é a prestação do serviço de engenharia para o desmantelamento da central nuclear de Almaraz, situada na província de Cáceres, com vista à realização dos estudos e engenharia da conceção, especificações e projetos de obra e à elaboração da documentação para a autorização da mesma.

De acordo com o programa de operação e desmantelamento de instalações nucleares em Espanha, incluído no VII Plano Geral de Resíduos Radioativos, as datas de cessação de funcionamento das Unidades I e II de Almaraz estão previstas para novembro de 2027 e outubro de 2028, respetivamente.

Segundo notícia a EFE, a partir destas datas, será aberto um prazo de três anos para realizar a transferência de propriedade da central, atualmente nas mãos da Iberdrola, Endesa e Naturgy, para a Enresa para tratar de aspetos do desmantelamento, cujo prazo decorre nos 10 anos seguintes, ou seja, entre 2030 e 2041.

No entanto, a central nuclear de Almaraz está a trabalhar em dois cenários possíveis: A cessação de funcionamento das suas duas unidades (2027-2028) como definido conforme estabelecido no calendário e na possibilidade de prorrogação de prazo, que deve ser comunicada no primeiro trimestre de 2025, para evitar contratempos de natureza organizacional e de afastamento.

Caso o Governo espanhol e as três empresas proprietárias comunicassem uma possível expansão da atividade para além do primeiro trimestre de 2025, Almaraz teria de cessar temporariamente a sua atividade em 2027-2028 para reorganizar o seu planeamento.

A central nuclear de Almaraz criou um departamento de Transição de Ativos para abordar o início do possível processo de desmantelamento e iniciar a operação do seu segundo Armazenamento Temporário Individualizado (ATI) a partir de 2026, para poder alojar todos os elementos combustíveis que estão atualmente nas piscinas de arrefecimento das unidades.

A central de Almaraz atingiu 17.000 gigawatts-hora (GWh) de produção bruta em 2023, o terceiro melhor valor histórico desde o início da sua operação comercial, em 1983, e os seus indicadores de fiabilidade e estabilidade das operações colocam-na na categoria mais alta da Associação Mundial de Operadores Nucleares (WANO).

A central de Almaraz está situada junto ao rio Tejo e faz fronteira com os distritos portugueses de Castelo Branco e Portalegre, sendo Vila Velha de Ródão a primeira povoação portuguesa banhada pelo Tejo depois de o rio entrar em Portugal.

Em operação desde 1981 (operação comercial desde 1983), a central está implantada numa zona de risco sísmico e apenas a 110 quilómetros em linha reta da fronteira portuguesa.

O governo espanhol renovou a licença de exploração para os Grupos I e II da central de Almaraz, em julho de 2020, prorrogando-a até 01 de novembro de 2027, e 31 de outubro de 2028, respetivamente.

Os proprietários da central de Almaraz são a Iberdrola (53%), a Endesa (36%) e a Naturgy (11%).

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Radares da PSP: vê onde vão estar de 15 a 21 de julho
Cidades mais verdes e menos compactas têm taxa de mortalidade mais baixa
Vai nascer mais um troço de ciclovia em Lisboa