Mobilidade

Governo italiano tenta exceção para Ferrari e Lamborghini manterem motores de combustão

Governo italiano está em conversações com a União Europeia para que marcas de supercarros Ferrari e Lamborghini não tenham de passar a 100% elétricas a partir de 2035
Governo Itália
Governo Itália
PUB

A transição para a eletrificação no mercado automóvel, que já se verifica de forma gradual e que irá ser acelerada no início da próxima década, poderá ser um problema para os fabricantes de automóveis desportivos. É de esperar que marcas como a Ferrari ou a Lamborghini possam não estar totalmente preparadas para a eliminação dos motores de combustão em carros novos a partir de 2035, conforme planeia a União Europeia.

O problema que se coloca aos fabricantes de superdesportivos tem que ver com o facto de venderem um número de unidades bastante mais reduzido face aos restantes construtores, o que não lhes permite obter as mesmas economias de escala no contexto da transformação das suas fábricas e respetivas linhas de produção.

PUB
Superdesportivos (Foto: Denys Gromov/Pexels)
PUB

O governo italiano está atento à questão e já se encontra em conversações com a União Europeia sobre a forma como as novas regras se aplicariam aos fabricantes de superdesportivos. O objetivo passa por enquadrá-los num regime de exceção, quando a alimentação a bateria for obrigatória nos novos veículos.

PUB

“Esses automóveis precisam de tecnologia muito especial e precisam de baterias para a transição”, esclareceu Roberto Cingolani, Ministro para a Transição Ecológica do governo italiano, à agência Bloomberg.

“É importante que a Itália se torne autónoma na produção de baterias de alto desempenho e é por isso que estamos agora a lançar o programa giga-fábrica, para que aqui se instalem fábricas de produção de baterias de enorme escala”.

Tendo em conta o reduzido número de unidades comercializadas por marcas como a Ferrari e a Lamborghini (cerca de 9100 e 7400, respetivamente, em 2020), o governo italiano está convencido de que não será difícil que estas fiquem isentas do cumprimento das metas definidas pela União Europeia.

Recorde-se que a Ferrari planeia apresentar o seu primeiro automóvel totalmente elétrico apenas em 2025, altura em que deverá também surgir um modelo concorrente da Lamborghini.

Continuar a ler
Home
Cidades
Conhece aqui o vencedor do Prémio Gulbenkian para a Humanidade
Mobilidade
Vídeo: Famel regressa com mota elétrica
Sustentabilidade
Google Maps irá indicar rotas amigas do ambiente para evitar emissões de CO2