Sustentabilidade

Máscaras cirúrgicas transformam-se em cabides e outras peças

Iniciativa da autarquia e do parceiro Laboratório da Paisagem integra-se em estratégia de economia circular
Texto
Máscara cirúrgica (foto: C.  Schwarz/ Unsplash)
Máscara cirúrgica (foto: C. Schwarz/ Unsplash)

Resíduos de máscaras cirúrgicas e materiais têxteis pós-consumo serviram como matérias-primas para a produção de 5000 cabides, 2000 suportes de telemóvel, 140 mantas e 800 sacos que serão distribuídos nas escolas e associações de comerciantes de Guimarães.

A iniciativa parte do município vimaranense e do Laboratório da Paisagem – centro de investigação e educação ambiental – e está integrada na estratégia de economia circular RRRCICLO.

Guimarães - AWAY
Guimarães (foto: divulgação/ DR)

Com esta ação vai ser possível apoiar abrigos animais, associações de comerciantes locais e instituições de ensino, em particular as escolas de Pevidém e Taipas. Nestas vão ser distribuídos 2000 suportes de telemóvel, como forma de premiar os alunos que mais contribuíram para a separação seletiva de máscaras no projeto “Recolher e Valorizar”, iniciado em 2021.

Para que o movimento de separação e reciclagem perdure no tempo, a iniciativa contempla ainda a colocação de quatro contentores para resíduos têxteis nas Escolas Secundárias, de forma a promover a recolha seletiva destes materiais.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Hyundai apresenta primeiro camião a hidrogénio com condução autónoma
Segurança rodoviária: 9 peças de roupa a evitar quando se está ao volante
Projeto português cria vidro que produz eletricidade a partir da luz solar