Sustentabilidade

Visita à fábrica da Nissan: sustentabilidade em destaque na produção do Qashqai

Reciclar e reutilizar, duas normas levadas muito a sério na fábrica da Nissan no Reino Unido, onde vão ser construídos os futuros veículos elétricos da marca
Texto

Ser mais sustentável é sempre possível. Pode-se usar mais energia renovável, repensar um procedimento ou até reutilizar e reciclar um determinado material. Até quando se constroem automóveis – mesmo que não sejam elétricos – é possível tornar o processo menos poluente. A Nissan tem-no feito em pequenas mudanças ao longo do processo de fabricação dos seus veículos.

Durante a visita a Sunderland, no Reino Unido, pudemos ver esta aposta no ambiente. Por mais cuidado que se tenha em evitar o desperdício de partes e peças, é inevitável que algo sobre. Mas em vez de se atirar para o lixo, tenta-se uma gestão inteligente e usam-se as máximas do reciclar e reutilizar.

Da visita, destacamos quatro projetos criados a pensar no ambiente e, claro, em fazer uma gestão inteligente de recursos.

O ciclone que dá uma nova vida ao alumínio

Foi logo nos primeiros momentos dentro da fábrica que ficámos a conhecer o primeiro ponto de reciclagem.

Atualmente, o alumínio é muito usado para dar forma aos veículos por ser mais leve, permitir melhor eficiência e ter menos emissões. O novo Qashqai, que vai ser construído em Sunderland, tem 20 painéis em alumínio, cortados de grandes placas. E, como seria de esperar, há pequenas partes que são cortadas e que não são usadas. O seu destino é a reciclagem.

Nissan Sunderland - AWAY
Painéis laterais do Nissan Qashqai (foto: divulgação)

Estes pedaços são puxados por tubos e levados até uma zona batizada de Ciclone. Esta máquina gigante processa os pedaços de alumínio que depois são depositados em grandes camiões e levados para o fornecedor do material. É lá que voltam a ganhar a forma de novas placas gigantes que voltam a entrar na fábrica da Nissan.

É um processo em loop que garante que o desperdício é mínimo e que se consegue poupar dinheiro. Afinal, o alumínio é caro e assim nada se desperdiça.

Até as gotas de tinta que sobram vão para as estradas

Já depois de ganhar forma de automóvel, mas ainda longe de estar pronto, os veículos produzidos na Nissan Sunderland acabam na zona de pintura. Aqui, máquinas garantem que a quantidade de tinta usada é a certa para uma pintura sem irregularidades e, claro, pouco desperdício.

A tinta – que, dizem, é amiga do ambiente – é colocada nos robots na quantidade quase perfeita para cada veículo. Ainda assim, há gotas que não tocam na chapa. Mas isso não quer dizer que também não acabam na estrada.

Nissan Sunderland - AWAY
Secção de pintura (foto: divulgação)

Esta tinta que acaba por não ser usada seca no ar e passa pelo chão para ser depositada em filtros. Estes restos – chamemos-lhes assim – são levados para fora da fábrica e são usados em pavimento de estradas.

A aposta em energia limpa de Sunderland

Falemos da energia renovável que é produzida à volta da fábrica e que cobre parte das necessidades elétricas da produção da Nissan em Sunderland.

Foi em 2015 que se começou a apostar na energia renovável na fábrica. Neste momento, tem dois grandes parques com milhares de painéis solares e umas dezenas de turbinas eólicas que, juntos, têm uma potência total de 34 megawatts. Com a energia solar e eólica produzida in house é possível colmatar 20% das necessidades elétricas da unidade.

Nissan Sunderland - AWAY
Energia solar e eólica (foto: divulgação)

Em breve, este valor irá aumentar. As turbinas eólicas de Sunderland estão a receber pás com mais um metro de cumprimento, o que fará com que tenham maior capacidade de produção energética.

Projeto estuda nova utilização para baterias antigas de Nissan Leaf

Ainda que não tenhamos visto este projeto ao vivo e a cores, é impossível não falar sobre ele. Afinal mostra que as baterias dos elétricos não têm de ser postas no lixo quando deixam de garantir boas autonomias para veículos.

A Nissan está a estudar novas maneiras de ser rentável que não passem necessariamente pelos veículos. E um dos projetos que tem é a utilização de antigas baterias dos elétricos Nissan Leaf para armazenar energia renovável e criar microrredes.

Em Sunderland, já se usam as baterias para armazenar energia limpa. Apesar de para a unidade a eletricidade armazenada servir de pouco, o projeto parece indicar que para uso doméstico funcionará bem.

*A AWAY viajou ao Reino Unido a convite da Nissan

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Borras de café vão ser usadas para dar vida a solos lisboetas
Preço dos combustíveis na próxima semana de 22 a 28 de julho
Projeto português cria vidro que produz eletricidade a partir da luz solar