Sustentabilidade

Instalação floral em elétrico Zoe para chamar a atenção de plantas em extinção

A Renault associou-se à Plantlife e ao florista Larry Walshe para criar uma dramática instalação floral usando um Zoe como base.
Texto

Uma em cada cinco flores selvagens do Reino Unido enfrenta a hipótese de extinção, devido às emissões poluentes excessivas e aos crescentes valores de poluição neste país. Se compararmos os valores atuais com os dos anos 30, podemos constatar que cerca de 97% das zonas verdes e pradarias do Reino Unido já desapareceram, deixando as bermas das estradas como a solução de recurso para a sobrevivência de mais 700 espécies de flores silvestres, cerca de 45% da flora total da Grã-Bretanha e que inclui 29 das 52 espécies de orquídeas selvagens britânicas.

Com o objetivo de sensibilizar e inspirar a necessidade de se tomarem medidas destinadas a proteger as flores silvestres e espaços verdes que continuam a desaparecer a uma velocidade assustadora, foi revelada no Old English Garden do Victoria Park de Londres uma dramática instalação floral efémera, que inclui a presença de diversas flores silvestres, mas também de um Renault Zoe, o automóvel totalmente elétrico mais vendido atualmente no Reino Unido.

O autor desta instalação foi Larry Walshe, um conhecido florista londrino, que já recebeu diversos prémios. Apresenta um jardim de flores e folhagem que parece brotar do interior do Renault Zoe, usando um efeito tipo cascata de flora cultivada de uma forma orgânica em todo o carro, mas também na bagageira, no capot e no piso em torno do Zoe.

Para esta instalação foram usadas mais de 2500 flores, com destaque para algumas das flores selvagens nativas do Reino Unido como a violeta de genciana, os gladíolos, as dálias ou a rosa All4Love, que é considerada a espécie de rosa mais ameaçada do planeta.

O objetivo desta instalação, criada em colaboração com a Renault, pretende desafiar os cerca de 32 milhões de condutores britânicos a acelerar a transição para os automóveis elétricos, mesmo antes da proibição do Governo de produção de automóveis movidos a gasolina e diesel prevista para o ano 2030.

"Eu queria criar uma instalação que celebrasse a maravilha natural da flora amada e em risco. Ousada, bela e provocadora, a peça confronta as pessoas a pensar no seu impacto no ambiente e a fazer mudanças positivas para ajudar a proteger e a conservar as nossas flores nativas", afirma Larry Walshe.

De salientar ainda que todas as plantas utilizadas nesta instalação foram posteriormente entregues a diversas das instituições de caridade localizadas um pouco por toda a cidade de Londres.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Ponte Vasco da Gama encerrada ao trânsito na próxima madrugada
O futuro pode não ter sequer volante e vai ser mais sustentável
Combustíveis: gasóleo e gasolina descem segunda-feira... mas pouco