Sustentabilidade

Ferrero quer todas as suas embalagens recicláveis ou reutilizáveis até 2025

Novas caixas de chocolates Ferrero Rocher vão utilizar menos cerca de dez mil toneladas de plástico
Texto
Chocolates Ferrero
Chocolates Ferrero

O Grupo Ferrero, um dos maiores a nível global no setor de alimentos doces, compromete-se em ter todas as suas embalagens reutilizáveis, recicláveis ou compostáveis até 2025. Em 2021, este objetivo já tinha sido alcançado em 83%, de acordo com a 13.ª edição do relatório de sustentabilidade da empresa.

Já no mercado, as novas embalagens de chocolates Ferrero Rocher têm um design considerado mais ecológico e são mais fáceis de reciclar, o que permite reduzir em 30% a pegada de carbono comparativamente com as anteriores.

Introduzidas em 2021 e totalmente fabricadas em polipropileno, as novas caixas de 16 e 30 unidades contribuíram para que fossem usadas menos duas mil toneladas de plástico, o que corresponde a uma redução de 40%. No decorrer de 2023 vão também ser utilizadas na versão de 24 unidades.

Ferrero Rocher - AWAY
Embalagens Ferrero Rocher

Quando as novas embalagens forem implementadas em toda a gama Ferrero Rocher, é expectável que seja evitado o uso de cerca de dez mil toneladas de plástico.

O grupo Ferrero delineou ainda outros objetivos para alcançar o compromisso de ter uma atividade sustentável até 2025, como a redução em 10% na utilização de plástico virgem, ou o aumento do conteúdo reciclado nas embalagens de plástico.

A empresa de origem italiana conta reduzir a pegada de carbono em 43% por tonelada de produto produzido em 2030 e manifesta a vontade em apostar nas energias renováveis. Atualmente, 84% da eletricidade adquirida nas suas fábricas já é proveniente de fontes renováveis.

(Fotos: Unsplash)

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Barco à vela produzido com algas e plástico reciclado inspira o futuro
Comer carne ou ser vegan? Qual a dieta com menos emissões de carbono?
Limitar o aquecimento global a 1,5ºC parece tarefa impossível diz novo estudo