Sustentabilidade

Boias coloridas gigantes estão a retirar plástico dos rios

Sistema autossuficiente de boias permite recolher lixo plástico dos rios antes deste chegar aos oceanos
Texto

Quando falamos de plástico, o problema é sempre o mesmo: ele está por todo o lado e os nossos rios e oceanos já não são apenas a casa para animais marinhos, mas também para muitos, muitos resíduos. A esperança agora é encontrar uma forma de os limpar e porque não usando umas boias gigantes?

Parece estranho, mas também o eram os monstros a energia solar que comiam lixo. A questão é que às vezes são as ideias mais fora da caixa que têm maior impacto.

River Cleaning - AWAY
Sistema de boias em rio de Rosà, Itália (foto: divulgação)

Por trás deste projeto está a River Cleaning, criada por Vanni Covolo, um empresário italiano que durante anos teve uma empresa de produção de plástico, até que um dia percebeu que queria contribuir para resolver o problema da poluição e não para o aumentar.

Assim nasceram as boias coloridas que, juntas, criam um sistema autossuficiente chamado River Plastic que trabalha 24 horas por dia, 365 dias por ano, para retirar lixo flutuante dos rios. Isto sem atrapalhar a navegabilidade das águas, interferir com a vida marinha ou ter impacto no ambiente em que está inserido.

Para que as boias façam o seu trabalho, precisam de apenas uma coisa, da corrente do rio. É o movimento natural da água que as faz rodar, transportando o lixo para estruturas que ficam nas margens. Estas podem ser simples redes ou rampas automáticas que graças a painéis solares, puxam o lixo para fora da água.

A River Cleaning tem também uma versão da estrutura que gera energia a partir da rotação das boias, armazenando-a em baterias para depois ser usada para alimentar determinadas partes do sistema.

River Cleaning - AWAY
Sistema River Plastic em utilização (foto: Facebook/River Cleaning)

Para manter o sistema no sítio, a empresa italiana criou duas soluções. É possível prender cada boia ao leito do rio utilizando cabos ou, em alternativa, colocá-las numa estrutura de suporte que pode ficar debaixo de água ou acima.

As boias, tendencialmente, adaptam-se sozinhas aos níveis de água e nunca saem do seu sítio.

O sistema da River Cleaning é escalável, podendo adaptar-se a variados rios. É capaz de intercetar 90% do lixo que esteja à superfície da água ou até 35 cm de profundidade e normalmente recolhe resíduos com entre 2 e 70 cm.

O primeiro sistema piloto foi instalado em 2020, no rio Brenta, em Itália, e em 2021 foi colocada a primeira barreira oficial, esta na cidade de Rosà, no mesmo país. Graças ao projeto Horizon Europe, o primeiro sistema da River Cleaning na Europa deverá chegar em 2023 à região dos Balcãs.

Próximo passo é criar sistema que retire óleo dos rios

Não é só o lixo que acaba nos rios e oceanos, os derramamentos de óleo são também um problema sério, com graves impactos para a fauna e flora marinha. Por isso, a empresa italiana está a trabalhar num sistema que permite não só retirar os resíduos, como também absorver poluentes líquidos da água.

River Oil - AWAY
River Oil ainda está em estudo (foto: divulgação)

Estão a ser trabalhadas duas propostas distintas: uma boia que tenha um núcleo absorvente que retém o poluente; e uma boia que puxa o óleo para uma estrutura de tratamento de água.

O River Oil, como foi batizada, já foi patenteada e está em desenvolvimento. O sistema deverá chegar ao mercado em alguns anos.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Radares da PSP: vê onde vão estar na próxima semana de 22 a 28 de abril
Mundo vive branqueamento em massa de corais pela segunda vez em 10 anos
Vê como fica o preço dos combustíveis na próxima semana