Sustentabilidade

Mortes no verão podem reduzir com mais árvores plantadas nas cidades

Das 6700 mortes prematuras registadas em cidades europeias em 2015, um terço poderia ter sido evitado, indica um novo estudo
Texto

Um terço das mortes causadas pelas temperaturas altas nas cidades, típicas do verão, podem ser reduzidas com a plantação de mais árvores.

De acordo com um estudo do Instituto de Saúde Global de Barcelona , das 6700 mortes prematuras ocorridas em cidades europeias em 2015, poderiam ter sido evitadas 2644, um terço, caso o número de árvores urbanas tivesse aumentado em 30%. Com mais cobertura arbórea haveria, consequentemente, uma redução da temperatura.

Lisboa - AWAY
Lisboa (foto: Sonse/ Flickr)

O estudo descobriu que a sombra das árvores reduziu as temperaturas urbanas numa média de 0,4 graus, durante a estação mais quente do ano, o verão.

Para chegarem a estas conclusões, os investigadores estimaram as taxas de mortalidade de residentes com 20 anos ou mais, em 93 cidades europeias, entre junho e agosto de 2015, em cerca de 57 milhões de habitantes no total.

Nice - AWAY
Nice, França (foto: P. Rysz/ Unsplash)

Para a principal autora da investigação, Tamara Lungman, o seu objetivo é fornecer conhecimento às entidades responsáveis, relativamente aos benefícios de incorporar mais infraestruturas verdes nos planos urbanos.

Além de contribuir para um ambiente mais sustentável, aumentar a cobertura arbórea é também uma forma de ajudar a arrefecer os ambientes urbanos, contribuindo para a adaptação e mitigação das alterações climáticas.

Após a análise dos dados, com base em dois modelos de estudo, os investigadores concluíram que 6700 mortes prematuras poderiam ser atribuídas a temperaturas urbanas mais quentes, durante os meses de verão – 4,3% da mortalidade no verão e 1,8% da mortalidade anual.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
5 formas de aproveitares as borras de café e dar-lhes uma nova vida
Bolt já fez mais de 600 mil quilómetros com animais a bordo em Portugal
Mundo vive branqueamento em massa de corais pela segunda vez em 10 anos