Sustentabilidade

Já não há estrelas no céu? Cientistas alertam que elas estão a desaparecer

Poluição luminosa torna céu mais claro e faz com que estrelas deixem de ser visíveis. Em poucos anos, vamos ver só metade delas
Texto

Tens olhado para o céu e tens reparado que parece que há menos estrelas? Não é impressão tua. Os astros estão a ficar invisíveis a olho nu e o fenómeno só vai piorar. Um estudo revelou que a poluição luminosa está a fazer com que as estrelas desapareçam.

Entre 2011 e 2022, um grupo de cientistas de vários cantos do mundo, integrantes do projeto Globe at Night, recolheu dados das constelações que visualizaram. No total, registaram mais de 50 mil observações a olho nu.

Los Angeles à noite - AWAY
Céu noturno em Los Angeles, Estados Unidos (foto: Benni Talent/Unsplash)

A análise desses dados foi agora publicada e mostra que as mudanças na visibilidade dos astros no céu estão diretamente ligadas a um aumento anual de 9,6% na claridade no céu. Caso não se diminua a quantidade de luzes e se continue com este ritmo, daqui a 18 anos, provavelmente será possível ver menos de metade das estrelas que se vislumbram atualmente.

Para o principal autor do estudo, Christopher Kyba, citado pela Euronews, a velocidade com que as estrelas estão a ficar invisíveis para as pessoas nas cidades é dramática.

Estrelas - AWAY
Poluição luminosa apaga estrelas do céu (foto: Hamid Khaleghi/Unsplash)

O cientista explica que a luz emitida horizontalmente é responsável pela claridade do céu. Isto quer dizer que se os anúncios e as iluminações em fachadas de prédios começarem a ser cada vez mais frequentes, pode vir a ter um forte impacto no brilho do céu.

A contribuir para um céu cada vez mais claro e com menos estrelas está a mudança das lâmpadas tradicionais para LEDs brancos.

Porque é que poluição luminosa é um problema?

Numa noite clara e escura, os investigadores dizem que o olho humano deve ser capaz de ver milhares de estrelas, porém menos de 30% das pessoas de todo o mundo são capazes de obter uma visão clara da Via Láctea.

Isto mostra que a poluição luminosa está a bloquear a luz das estrelas e a luz do sol, dos quais os sistemas biológicos da Terra dependem. Este pode ter um efeito negativo para a saúde humana, com o aumento do risco de distúrbios do sono, obesidade e depressão. Este fenómeno também afeta a vida selvagem.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Europa bate recorde de produção de energia eólica e solar
Preço dos combustíveis com forte descida na próxima semana
Radares da PSP para o mês de fevereiro: onde vão estar em todo o país