Sustentabilidade

Cortiça portuguesa no interior dos veículos elétricos da Mobilize

Corticeira Amorim forneceu cortiça para interiores dos elétricos Mobilize Duo e Mobilize Solo
Texto

Em outubro deste ano, o Grupo Renault surpreendeu com o lançamento de dois veículos de mobilidade urbana sob a marca Mobilize. A versão Duo e Solo despertaram o interesse de muita gente pelo seu design futurístico. Agora sabe-se que estes veículos franceses têm um elemento bem português: a cortiça da Corticeira Amorim.

Presente no interior dos veículos, mais concretamente nos bancos e no painel interior traseiro, a cortiça foi escolhida por ser natural e sustentável. Além disso, graças ao seu aspeto único, a utilização desta matéria-prima garante um design singular e disruptivo, explica a empresa portuguesa em comunicado.

Mobilize duo e Solo - AWAY
Mobilize Solo e Duo

A escolha dos materiais usados no Mobilize Duo e no Mobilize Solo, que inclui a cortiça fornecida pela Amorim Cork Composites, unidade de negócio da Corticeira Amorim, não foi aleatória, mas sim feita de forma cuidadosa para garantir que estes pequenos veículos eram o mais sustentáveis possível.

Desta forma, os dois veículos para mobilidade urbana foram desenvolvidos com 50% de matérias-primas recicladas e são 95% recicláveis, podendo dizer-se que encaixam nos princípios do ecodesign.

Cortiça no interior do Mobilize Duo - AWAY
Pormenor em cortiça no interior do Mobilize Duo

Esta não é a primeira vez que a Corticeira Amorim contribuiu para um veículo. Há pouco mais de um ano, em outubro de 2021, a cortiça da empresa portuguesa foi incluída no Mini Strip, o veículo idealizado pelo estilista inglês Paul Smith com o objetivo de ser totalmente sustentável e que segue a máxima "menos é mais"

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Barco à vela produzido com algas e plástico reciclado inspira o futuro
Comer carne ou ser vegan? Qual a dieta com menos emissões de carbono?
Limitar o aquecimento global a 1,5ºC parece tarefa impossível diz novo estudo