Sustentabilidade

Guterres: loucura para substituir petróleo russo acelera aquecimento global

António Guterres alertou que crise no mercado energético por causa de guerra na Ucrânia pode acelerar aquecimento global
Texto
Alterações climáticas
Alterações climáticas

Numa altura em que os países procuram substituir o petróleo, gás e carvão russos por qualquer outra alternativa disponível, António Guterres, o secretário-geral das Nações Unidas alerta para o perigo que isso pode significar para o planeta e para o aquecimento global.

Foi num discurso para o The Economist Sustainability Summit que António Guterres abordou a temática do impacto da guerra no clima e no mercado energético.

António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas (AP/Richard Drew)

Em vídeo, António Guterres discursou referindo que a guerra russa na Ucrânia põe em risco os mercados de alimentos e de energia mundiais com graves implicações para a agenda do clima global”.

O alerta foi direto: António Guterres receia que a necessidade imediata de acesso a combustíveis fósseis pode fazer com que os países se tornem ainda mais dependentes do petróleo, gás e carvão e acabem por esquecer as políticas para fazer a transição para energias mais verdes. Para o secretário-geral, esta corrida é uma “loucura”.

Plataforma de petróleo na Sibéria (AP/Sergey Ponomarev)

Como os eventos atuais tornam bastante claros, a nossa dependência nos combustíveis fosseis põe a economia global e a segurança energética à mercê de choques e crises geopolíticas”, disse António Guterres, concluindo que a melhor maneira de se lidar com o problema é apostar em força nas energias renováveis.

Como se mantém o objetivo de 1,5 graus vivo?

Apesar de abordar a invasão da Ucrânia, o discurso foi focado no aquecimento global e em como se pode manter o objetivo de limitar o aumento anual da temperatura média global a menos de 2ºC acima dos níveis pré-industriais e a fazer esforços para limitar a 1,5ºC do Acordo de Paris vivos.

António Guterres não deixou de referir que, apesar dos progressos que se alcançaram em Glasgow, durante a COP26, não se resolveu o problema das emissões globais que continuam a aumentar de ano para ano e que o objetivo de manter a temperatura a 1,5ºC, conforme definido no Acordo de Paris, está em “suporte de vida, está nos cuidados intensivos”.

O nosso planeta já aqueceu 1,2 graus e já vemos as consequências devastadores por todo o lado. […] Senhoras e senhores, se continuarmos com mais do mesmo, podemos dizer adeus aos 1,5 graus. Até [a subida de] 2 graus pode estar fora do nosso alcance”, referiu o antigo primeiro-ministro português.

Ainda assim, o secretário-geral da ONU acredita que é possível travar o aquecimento global. Para tal, é preciso acelerar o fim do carvão e dos combustíveis fósseis, reforçar os compromissos climáticos, apostar na descarbonização e nas energias alternativas e protege os mais vulneráveis.

Só assim podemos tirar o objetivo dos 1,5 graus do suporte de vida para a sala de recobro”, concluiu.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Portugal inova com projeto de reprodução de corais
Vê onde vão estar os radares da PSP em dezembro
Tecnologia Nissan e-Power nos novos Qashqai e X-Trail