Sustentabilidade

Rascunho com linhas orientadoras para o futuro do clima discutido na COP26

Representantes de quase 200 nações vão rever rascunho para criar o acordo final que deverá ser assinado no final da semana
COP26
COP26
PUB

Já foi publicado o primeiro rascunho (ver aqui) com as políticas futuras que os países deverão seguir para atingir os objetivos definidos no Acordo de Paris, em 2015. Os representantes de quase 200 países irão trabalhar a partir do documento divulgado de forma a chegarem a um acordo que será assinado até sexta-feira, 12 de novembro, dia em que a COP26 chega ao fim.

O rascunho divulgado pela Convenção Quadro das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas foi proposto pelo presidente da cimeira, Alok Sharma, e destaca a necessidade de haver cooperação internacional para se conseguir limitar o aumento anual da temperatura média global a 1,5ºC. Há também um apelo aos países para reverem e reforçarem os objetivos que definiram para 2030.

PUB
Alok Sharma, presidente da COP26
PUB

Esta primeira versão que vai ser agora discutida até ao final da COP26, em Glasgow, está dividida em oito grandes grupos, que incluem ciência, mitigação, finanças de adaptação, implementação, colaboração, entre outros.

Barack Obama deixa aviso para países na COP26
PUB

Entre os vários pontos a discutir, destaca-se o pedido para uma transição para zero-emissões justa, apoiada por recursos financeiros adaptados e com atenção às necessidades dos países em desenvolvimento e das minorias que possam ser mais afetadas pela transição.

É referido os apoios que os países desenvolvidos devem dar aos países em desenvolvimento e pede-se que os financiamentos sejam dados em forma de concessão e não de empréstimo para não colocar criar dívidas aos países com menos poder económico.

Japão vai ajudar Ásia a chegar às zero emissões

Pela primeira vez, há também um pedido aos países para eliminarem de forma gradual os incentivos ao carvão e aos combustíveis fósseis.

Boris Johnson, primeiro-ministro britânico

De acordo com o Aljazeera, espera-se que o documento sofra várias alterações uma vez que não há consenso em relação a diversos pontos, entre eles as regras do mercado de carbono e o pagamento de apoios às nações em desenvolvimento.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, já deixou um apelo aos países e lembrou que é o momento “de pôr de parte as diferenças e juntarmo-nos pelo nosso planeta e pelas nossas pessoas”.

PUB

(Fotos: UNFCC/Flickr e Karwai Tang/ Governo do Reino Unido)

Continuar a ler
Home
Fantástico
Vídeo: O Renault 4L do futuro é elétrico e voa!
Away
Biocombustíveis: depois do milho e girassol, agora os insetos
Energia
Gasolina desce e gasóleo sobe, na próxima semana