Sustentabilidade

COP26: Pacto Climático mantém vivos objetivos de Paris, mas exige ação rápida

Ações-chave referem diminuição do uso de carvão e maior apoio financeiro aos países em desenvolvimento. Ainda assim, muitos dos objetivos ficaram por ser alcançados
COP26 chega ao fim
COP26 chega ao fim
PUB

Depois de duas semanas de negociações, de vários rascunhos e de alterações de última hora, as quase 200 nações na COP26, em Glasgow, aprovaram o que será o documento com as ações-chave para o clima. O acordo que ficou fechado no sábado, 13 de novembro, um dia depois do previsto, é o primeiro que aponta os combustíveis fósseis como um dos principais responsáveis pelo aquecimento global.

De acordo com a Reuters, muitas das nações signatárias esperavam conseguir um documento mais forte, com medidas mais eficazes para a descarbonização. Ainda assim, o acordo reafirma a vontade de limitar o aumento anual da temperatura média global a menos de 2ºC acima dos níveis pré-industriais e a fazer esforços para limitar a 1,5ºC, como ficou definido em 2015, no Acordo de Paris.

PUB
Fim dos veículos a combustíveis fósseis? Portugal não se compromete
PUB

Para tal, é necessário uma “rápida, profunda e sustentável redução de emissões globais de gases de efeito estufa, incluindo a redução global de emissões de dióxido de carbono em 45% até 2030 relativamente aos níveis de 2010 e conseguir as emissões zero por volta do meio do século”, pode ler-se na versão divulgada no site na UNFCC. No documento, há um pedido às partes para considerarem ações extra para a redução de gases de efeito estufa.

PUB
PUB
Alok Sharma, presidente da COP26

Alok Sharma, presidente da COP26, referiu que se pode dizer “com credibilidade que mantivemos o objetivo dos 1,5ºC vivo. Mas a pulsação está fraca e só irá sobreviver se mantivermos as nossas promessas e traduzirmos os compromissos em ações rápidas.

A alínea referente ao carvão foi ainda alvo de alteração no último minuto, quando a Índia, apoiada por outros países como a China, rejeitou que o documento referisse o fim das energias a carvão. Como tal, ficou definido que se deve reduzir a utilização deste tipo de energia, não havendo referência ao gás natural e ao petróleo.

Em relação às finanças do ambiente, fica o pedido aos países desenvolvidos para entregarem com urgência o objetivo de aproximadamente 87 mil milhões de euros às nações em desenvolvimento para que estas consigam cumprir as suas metas para o clima.

Japão quer ajudar Ásia a atingir neutralidade carbónica

Apesar dos avanços, havia quem esperasse mais da Cimeira do Clima, em Glasgow. António Guterres, o secretário-geral da ONU, referiu, num comunicado publicado no site da UNFCC, que muitos dos objetivos não foram alcançados, mas que houve um primeiro passo que poderá dar a fundação para o progresso ambiental.

PUB
António Guterres, secretário-geral da ONU

O nosso frágil planeta está a aguentar-se por um fio. Continuamos a bater na porta da catástrofe climática. É altura de entrar em modo de emergência ou as nossas hipóteses de chegarmos ao net-zero vão ser elas próprias zero”, escreve António Guterres.

O secretário-geral deu destaque a alguns dos objetivos que acabaram por não ficar resolvidos na cimeira, como o fim dos subsídios aos combustíveis fósseis, o fim do carvão e o desenvolvimento da resiliência das comunidades mais vulneráveis.

A ativista sueca Greta Thunberg também já reagiu ao fim da cimeira, dizendo no Twitter que o novo pacto não passa de "blá blá blá" e que a luta pelo clima e pelo ambiente continua fora das salas da cimeira. 

(Fotos: UNFCC/Flickr, Karwai Tang/ Governo do Reino Unido e B. O'Donnell/Unsplash)

Continuar a ler
Home
Fantástico
Vídeo: O Renault 4L do futuro é elétrico e voa!
Away
Biocombustíveis: depois do milho e girassol, agora os insetos
Energia
Gasolina desce e gasóleo sobe, na próxima semana