Sustentabilidade

Veneza corre risco de inundação constante. Mas há uma nova esperança

O sistema Mose é o novo melhor amigo da cidade tendo como objetivo protegê-la das marés altas e evitar catástrofes
Texto

Na passada terça-feira, 22 de novembro, Veneza resistiu a uma maré alta com a ajuda do Mose, um sistema de represas construído para proteger a cidade das subidas do nível da água em alturas de mau tempo. Graças a esta estrutura, foi possível evitar que a famosa Praça de São Marcos ficasse inundada.

De acordo com os boletins meteorológicos, estavam previstas ondulações de 1,70 metros, valores perto dos níveis recorde anteriormente registados, o que levou a um alerta para inundações. Era possível que grande parte da cidade ficasse debaixo de água.

sistema Mose - AWAY
Sistema Mose, em Veneza (Foto: Conzorcio Venezia Nuova)

O sistema de represas Mose foi ativado durante a madrugada de 22 de novembro e permitiu evitar um desastre ao controlar a maré.

O ministro dos transportes de Itália, Matteo Salvini, disse que caso “o sistema Mose não estivesse instalado, Veneza tinha ficado catastroficamente inundada”.

Esta estrutura está em funcionamento desde 2020, estando instalada no fundo da lagoa de Veneza e sendo ativada quando necessário. É composta por 78 comportas e permite proteger a cidade de marés até três metros.

Cheias de Veneza - AWAY
Cheias em Veneza, em 2019 (Foto: Luigi Costantini/AP)

É de recordar que Veneza já foi afetada algumas vezes por subidas dos níveis da água, como em 2019, quando a cidade italiana foi devastada pela segunda maré mais alta de que há registo.

Este tipo de ocorrências tem acontecido mais do que o normal devido a vários fatores, como as alterações climáticas, o aumento do nível do mar e o afundamento do nível do solo da cidade.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Barco à vela produzido com algas e plástico reciclado inspira o futuro
Comer carne ou ser vegan? Qual a dieta com menos emissões de carbono?
Limitar o aquecimento global a 1,5ºC parece tarefa impossível diz novo estudo