Sustentabilidade

Alterações climáticas: 7 problemas que devem preocupar o mundo em 2023

O ano muda, mas as preocupações em relação ao ambiente e às alterações climáticas mantêm-se
Texto

De certeza que já ouviste a frase “Ano Novo, vida nova”, mas é fácil perceber que é uma ideia idílica. A verdade é que a transição de 31 de dezembro para 1 de janeiro traz pouco mais do que esperança e, sejamos honestos, vários aumentos pouco apetecíveis. E se as alterações climáticas já eram uma questão em 2022, em 2023, não se espera nada muito diferente.

Agora que damos os primeiros passos no novo ano, há alguns pontos-chave em relação ao ambiente e ao clima que não podemos descurar. Fizemos um levantamento daqueles que achamos mais relevantes e que irão marcar 2023.

Incêndios - AWAY
Alterações climáticas têm tido grande impacto (foto: Pixabay)

1. Impacto na natureza

A perda de biodiversidade é uma questão muito falada, mas ainda assim é essencial passar das palavras para as ações. Há já várias entidades a criar projetos de proteção e é essencial manter esta tendência e fazê-la crescer não só em 2023, como no resto da década.

2. A proteção da água potável

Microplásticos, derrames de poluentes e seca conduzem o mundo para um destino preocupante: a falta de água potável para consumo. É essencial criar mecanismos para proteger o bem e um dos primeiros passos será dado já este ano, com a primeira conferência das Nações Unidas sobre a água a decorrer em 50 anos.

Cheias no Paquistão - AWAY
Países em desenvolvimento pedem ajuda para lidar com crise climática (foto: Asim Tanveer/AP)

3. Justiça climática

Foi um dos principais temas na COP27, a questão da justiça climática e do financiamento das nações mais afetadas pelas alterações climáticas. A verdade é que a crise climática afeta a todos, mas os países em desenvolvimento são os que pagam a maior moeda apesar de serem os menos poluentes.

4. A crise energética e as possíveis fontes de energia para a Europa

A guerra na Ucrânia provocou uma crise no mercado energético que, além de fazer disparar os preços, obrigou a Europa a procurar outros fornecedores que não a Rússia, um dos maiores exportadores de petróleo e gás natural.

O problema parece que não chegará ao fim em 2023 e a Europa precisará de encontrar novas alternativas e continuar a apostar em energias verdes.

5. O uso de combustíveis fósseis

Em 2022, a União Europeia definiu o fim da venda de veículos a combustíveis fósseis até 2035 e atualizou o mercado de carbono. Ainda assim, o uso destes combustíveis parece estar longe de chegar ao fim, algo que tem um grande impacto nas emissões de gases de efeito poluente e, consequentemente, nas alterações climáticas.

Empresas verdes - AWAY
Empresas têm papel a cumprir no âmbito ambiental (foto: Danit Soh/Unsplash)

6. Maior consciência ambiental por parte de grandes empresas

O papel das grandes empresas e indústrias é essencial no que toca a controlar as alterações globais. Apesar de muitas estarem a pôr em prática medidas para controlar o seu impacto ambiental, ainda há muito a mudar. Mesmo empresas que estavam num bom caminho, admitem abrandar planos de sustentabilidade devido à inflação.

7. Descarbonizar as viagens

A mobilidade é ainda, na sua grande maioria, altamente poluente, com automóveis e transportes públicos a combustíveis fósseis e aviões e jatos privados que sempre que levantam voo emitem milhares de toneladas de gases poluentes.

Apesar de a transição ser lenta, temos visto notícias positivas neste campo. Há cada vez mais aposta nos transportes ferroviários, incentivos à mobilidade suave e tentativas de reduzir o número de voos domésticos e até de utilizar combustíveis sustentáveis para aviação.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Europa bate recorde de produção de energia eólica e solar
Preço dos combustíveis com forte descida na próxima semana
Radares da PSP para o mês de fevereiro: onde vão estar em todo o país