Energia

Sindicatos italianos preocupados com encerramento de fábricas pela falta de chips

Unidades da Stellantis em Itália estão a parar devido à escassez de semicondutores, o que está a gerar um impacto superior ao causado pela pandemia
Fábricas da Stellantis em Itália param por falta de chips (foto: Stellantis)
Fábricas da Stellantis em Itália param por falta de chips (foto: Stellantis)
PUB

A crise no fornecimento de chips para a indústria automóvel está a afetar todos os construtores de forma agressiva, entre os quais se inclui, naturalmente, o grupo Stellantis por ser detentor de algumas das marcas mais populares, como a Fiat, a Peugeot ou a Citroën.

A situação nas fábricas localizadas em Itália, em particular, é de tal forma preocupante, que os sindicatos estão a alertar para as graves implicações que poderão ter os sucessivos abrandamentos e paragens na produção.

PUB
Chips (foto: Pexels)
PUB

De acordo com alguns sindicatos, entre eles a FIM-CISL, a crise no fornecimento de semicondutores está a ter um impacto na indústria superior ao verificado no ano passado, quando as fábricas foram obrigadas a fechar devido à pandemia de COVID-19, prevendo-se que, até ao final de 2021, a produção em Itália não supere as 461 mil unidades fabricadas em 2020.

O turbilhão causado pela falta de semicondutores está a causar paragens na produção que pesam mais do que o encerramento em 2020”, alertou Ferdinando Uliano, secretário nacional da FIM-CISL, que vai ainda mais longe. “As previsões são de que tal situação se manterá durante toda a primeira metade de 2022.

PUB
Fábrica italiana Stellantis (foto: Stellantis)

A própria Stellantis prevê que o encerramento temporário ou o abrandamento das suas fábricas (na Europa e nos Estados Unidos) se irá traduzir em menos 1,4 milhões de automóveis produzidos até ao final do ano. Estima-se que a produção nas seis fábricas da FCA (parte integrante da Stellantis, em conjunto com a PSA), em Itália, no terceiro trimestre deste ano, seja 46% inferior face ao mesmo período de 2020.

Stellantis, Mercedes-Benz e TotalEnergies juntos na produção de baterias

A situação na unidade de Pomigliano é ainda mais grave, já que laborou apenas 15 dos 50 dias previstos para o terceiro trimestre. Quanto à fábrica de Melfi, a maior da Stellantis em território italiano, deverá funcionar por um período equivalente a apenas seis dias em Outubro.

O principal risco é que a Stellantis decida adiar os investimentos planeados e o lançamento de novos modelos, à medida que a crise dos chips provoca uma diminuição das vendas”, concluiu Ferdinando Uliano.

PUB
Continuar a ler
Home
Cidades
Conhece aqui o vencedor do Prémio Gulbenkian para a Humanidade
Mobilidade
Vídeo: Famel regressa com mota elétrica
Sustentabilidade
Google Maps irá indicar rotas amigas do ambiente para evitar emissões de CO2