Energia

Redução da produção de petróleo pode arrastar mundo para recessão económica

Cartel petrolífero OPEP+ reduz produção de petróleo em novembro e várias economias podem entrar em recessão
Texto
Campo petrolífero Khurais na Arábia Saudita (Foto: Arn Nabil/AP)
Campo petrolífero Khurais na Arábia Saudita (Foto: Arn Nabil/AP)

A aliança dos produtores de petróleo OPEP+, liderada pela Arábia Saudita e pela Rússia, anunciaram recentemente um corte de produção de dois milhões de barris de petróleo por dia. Esta decisão pode arrastar todo o mundo para uma recessão sem precedentes.

O corte anunciado pela OPEP+ no mês passado deverá ter efeito já em novembro e será o maior corte desde a pandemia da Covid-19.

Campo petrolífero russo (Foto: Dimitry Lovetsky/AP)

O cartel dos países produtores refere que este corte tem como objetivo fazer face à queda dos preços globais do petróleo devido a receios fundamentados nas previsões de subida da inflação em várias economias de topo, como os Estados Unidos e a União Europeia.

Agora a Agência Internacional de Energia (AIE) veio rever em baixa as previsões de procura de petróleo para o final de 2022 e acima de tudo para o ano de 2023. Mas deixa o alerta: a redução da produção da OPEP+ poderá levar o mundo para uma recessão.

No relatório mensal sobre o mercado petrolífero publicado hoje dia 13 de outubro, a AIE é particularmente severa com o que descreve como um "corte maciço" da produção do cartel petrolífero, até dois milhões de barris por dia a partir de novembro, equivalente a 2% a nível mundial, o que já causou um aumento de cerca de 14 dólares por barril em relação aos mínimos de setembro.

"Com implacáveis pressões inflacionistas e aumentos das taxas de juro", adverte, "o aumento dos preços do petróleo pode ser o ponto de viragem para uma economia global que já está à beira da recessão".

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Cortiça portuguesa no interior dos elétricos Mobilize
Autocarro português a hidrogénio está a chegar à Europa
Maior central híbrida solar e hidroelétrica de África está a nascer no Gana