Mobilidade

Nawa Racer: o protótipo de mota elétrica com sistema híbrido de baterias

O novo protótipo desenvolvido pela Nawa Techonlogies combina dois sistemas de energia o que lhe dá autonomia de até 300 km em ciclo urbano
Texto
Moto elétrica da Nawa Technologies combina dois sistemas de energia
Moto elétrica da Nawa Technologies combina dois sistemas de energia

A empresa de origem francesa Nawa Technologies acaba de apresentar a sua proposta de moto elétrica, a Nawa Racer, que combina duas soluções distintas de armazenamento de energia. Desenvolvida por um consórcio de empresas francesas do qual fazem parte, para além da Nawa, a Akka Technologies, a Pronergy, a FAAR e o YSY Group, a nova moto de estilo café racer é ainda apenas um protótipo, embora totalmente operacional.

A Nawa Racer é uma moto inteiramente elétrica que concilia a tecnologia de ultracapacitores de iões de lítio de nova geração da Nawa, designada Nawa Cap, com células de iões de lítio convencionais, o que resulta no primeiro sistema híbrido de baterias do mundo.

Com a otimização de ambas as fontes de energia, esta inovação abre novas possibilidades para todos os sistemas de propulsão elétrica, assegura a Nawa Technologies, já que permite melhorar consideravelmente a eficiência, reduzindo os tempos de carregamento e prolongando a vida útil do sistema.

Pelo facto de o sistema ser inteiramente modular, é aplicável a qualquer veículo elétrico e pode reduzir o tamanho da bateria de iões de lítio até metade, ou alargar a autonomia até ao dobro.

Os ultracapacitores de nova geração da Nawa aumentam o potencial do sistema híbrido de baterias, com cinco vezes mais potência e energia do que os ultracapacitores existentes. Além disso, o conceito deste sistema de propulsão é totalmente escalável: não há razão para que não possa ser aplicado a uma moto maior, a um automóvel, ou a outro veículo elétrico”, sublinha Pascal Boulanger, fundador e diretor técnico da Nawa.

Na Nawa Racer os ultracapacitores estão montados na zona onde habitualmente está o tanque de combustível. Estes disponibilizam 0,1 kWh e dão energia a uma bateria de iões de lítio de apenas 9 kWh montada mais baixo, no local onde estaria o motor de combustão interna.

Trata-se de uma bateria com metade do tamanho da que é aplicada numa moto desportiva elétrica convencional, uma vez que o sistema aplicado na Nawa Racer permite reutilizar mais de 80% da energia captada pela travagem regenerativa. Assim, foi possível construir uma moto de apenas 150 kg de peso, para o qual também contribui a fibra de carbono usada no quadro.

Ao nível da autonomia, a Nawa Racer oferece 150 km em ciclo misto, valor que pode duplicar para os 300 km em ciclo urbano, graças a toda a energia que é captada nas travagens. O sistema Nawa Cap recarrega em apenas dois minutos e toda a bateria pode ser carregada até 80% no período de uma hora, a partir de uma tomada convencional.

Quanto às prestações, os 100 cv de potência da Nawa Racer permitem atingir os 100 km/h em menos de três segundos e 150 km/h de velocidade máxima.

Embora não haja planos para a sua produção em série, a empresa está disponível para receber propostas de possíveis parceiros interessados em introduzi-la no mercado.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Governo recomenda baixar a velocidade máxima para os 100 km/h
Dinamarca está a substituir comboios Diesel por elétricos
Itália tem primeira residência para estudantes alimentada a hidrogénio