Mobilidade

Veículo elétrico FF91 com autonomia para 600 km pisca o olho ao futuro

Proposta elétrica da Faraday Future traz três motores e tem potência equivalente a 1050 cavalos
Texto

Cada vez mais, as novas propostas de veículos que são apresentadas parece que trazem para o presente aqueles que seriam os carros do futuro. Aquele que poderá vir a ser o primeiro modelo comercializado da californiana Faraday Future é uma representação deste novo conceito automóvel.

Chama-se FF91 e é um veículo 100% elétrico com especificações de despertar o interesse dos amantes do mundo automóvel. Além disso, a tecnologia é um ponto marcante nesta proposta americana que está preparada para um dia, quem sabe, ser totalmente autónoma.

Faraday Future - AWAY
Veículo com três motores elétricos Faraday Future

Com três motores e potência equivalente a 1050 cavalos, o Faraday Future FF91 vai dos 0 aos 100 km/h em apenas 2,4 segundos. Ainda assim, é no campo da autonomia que este elétrico mais se destaca.

A bateria de iões de lítio permite que se percorram mais de 600 km com apenas um carregamento.

O sistema que inclui aprende com os hábitos do condutor. Quanto mais se conduz, mais o próprio carro percebe as preferências de quem vai atrás do volante, garantindo uma experiência de condução que se vai tornando melhor com o tempo.

Faraday Future - AWAY
Veículo está preparado para ser autónomo

E se as especificações já falam para o futuro, o design transporta-nos até lá. O exterior tem linhas modernas e os bancos traseiros foram criados a pensar na posição natural do corpo em gravidade zero.

O FF91 poderá estar prestes a entrar em produção. A marca californiana anunciou que, caso tenha investimento para tal, espera começar as vendas em março de 2023 e avançar com a produção no mês seguinte.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Barco à vela produzido com algas e plástico reciclado inspira o futuro
Comer carne ou ser vegan? Qual a dieta com menos emissões de carbono?
Limitar o aquecimento global a 1,5ºC parece tarefa impossível diz novo estudo