Mobilidade

Trotinetes elétricas de aluguer podem vir a ser proibidas em Paris

No próximo dia 2 de abril os habitantes de Paris poderão decidir se querem ou não trotinetes elétricas de aluguer a circular na cidade
Texto
Trotinete junto ao Petit Palais, Paris (foto: Steve McDonald/Flickr)
Trotinete junto ao Petit Palais, Paris (foto: Steve McDonald/Flickr)

Depois de muita controvérsia e discussão pública os parisienses vão ser convidados a votar para decidir o futuro das trotinetes elétricas de aluguer na capital francesa. O referendo público municipal irá decorrer já no próximo dia 2 de abril de 2023.

Em recente entrevista ao Le Parisien, Anne Hidalgo, presidente da Câmara de Paris reconhece que o tema da micromobilidade partilhada divide opiniões, mas que face aos constantes problemas causados pelas trotinetes é altura de dar voz aos habitantes da cidade luz.

Anne Hidalgo - Away
Anne Hidalgo, Presidente da C.M.Paris (foto: Jaques Paquier/Flickr)

Hidalgo assume que ela própria está inclinada para uma proibição total da atividade de aluguer ao mesmo tempo que assegura que a votação não irá impactar as trotinetes particulares (que poderão manter-se em circulação), mas reconhecendo opiniões divergentes optou por dar voz aos residentes em referendo a realizar dia 2 de abril em toda a cidade.

A pergunta será simples: "Continuamos ou não com trotinetes elétricas de aluguer?"

O problema de Paris é idêntico ao mesmo pelo que passam atualmente tantas outras capitais europeias e mundiais. O desrespeito por regras básicas do código da estrada, de conduta e civismo tem tornado um verdadeiro caos as estradas, passeios, acessos a monumentos e até o fundo do rio Sena, onde vão parar inúmeras trotinetes.

trotinete em Paris - Away
Trotinete abandonada no Louvre, Paris (foto: Timea Kadar/Pexels)

Uma proibição tornaria Paris uma exceção entre as grandes cidades mundiais, mas seja qual for a decisão dos cidadãos a questão já está a provocar uma séria discussão sobre as regras e vantagens da micromobilidade partilhada. O tema está lançado.

Os entusiastas da micromobilidade defendem que as trotinetes elétricas partilhadas mudaram o panorama da cidade para melhor. Os cidadãos deslocam-se mais rápido e de forma mais ecológica numa cidade cujos transportes públicos circulam normalmente sempre muito cheios. Defendem ainda que em termos de emissões poluentes as trotinetes elétricas são uma opção racional aos automóveis.

Trotinete - Away
Trotinete elétrica no passeio, 14ºBairro, Paris (foto: B. Mazeno/Unsplash)

Em setembro de 2022, a France24 noticiou que a autarquia de Paris ameaçou os três operadores locais (Dott, Lime e Tier) com a não renovação das licenças, que expiram em março deste ano caso não limitassem a condução imprudente e outros desvios de regras.

Trotinete em Paris - Away
Trotinetes no passeio em La Defense, Paris (foto: Gilbert Sopakuwa/Flickr)

Dois meses depois os vários operadores apresentaram uma série de melhorias sugeridas, incluindo equipar as E-scooters com placas de identificação o que permite rastreio do condutor infrator, por exemplo, na passagem por um sinal vermelho.

Trotinete em Paris - Away
Trotinete abandonada na Place des Vosges, Paris (foto: Big Dodzy/pexels)

Para além disso os operadores acordaram em implementar tecnologia que limita a utilização das trotinetes a único utente já que a utilização por duas pessoas em simultâneo é recorrente.

Em declarações à Agência France Press, David Belliard, responsável pelo pelouro local de mobilidade, alinha com as ideias da Presidente e vai mais longe referindo que tem vários feedbacks negativos da população e que a análise custo/benefício é prejudicial à cidade.

A decisão está agora nas mãos dos habitantes de Paris. Dia 2 de abril a realidade de Paris pode mudar.

 

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Plano da União Europeia vai ajudar a salvar as abelhas
Base logística do Intermarché já tem painéis solares fotovoltaicos
Antártida tem um novo iceberg 15 vezes maior do que Lisboa