Mobilidade

Kawasaki está a desenvolver um motor a hidrogénio para motos

Construtor terá em breve motos elétricas na sua gama, mas não pretende ficar por aqui no que concerne a energias alternativas
Texto

Há cada vez mais construtores automóveis a apostar no hidrogénio como energia limpa alternativa face aos combustíveis fósseis. No campo das motos, o desenvolvimento de sistemas de propulsão que não de combustão interna não tem tido o mesmo ritmo, mas há um grande construtor que quer fazer a diferença – a Kawasaki, com o seu motor a hidrogénio.

De uma assentada, o fabricante de motos japonês apresentou recentemente três propostas eletrificadas – as elétricas Z EV e Ninja EV, mais a híbrida Ninja HEV. Mas as novidades no que diz respeito a motos com sistemas de propulsão alternativos, pintadas no verde lima que caracteriza a Kawasaki, não se ficam por aqui.

O presidente executivo da Kawasaki, Hiroshi Ito, revelou que o fabricante está também a desenvolver um motor a hidrogénio que poderá vir a equipar modelos de duas e até de quatro rodas, os chamados SSV.

Kawasaki a hidrogénio - AWAY
Kawasaki a hidrogénio

O motor em que a Kawasaki está a trabalhar, nas fotos da galeria acima aplicado numa derivação da Ninja H2 e num SVV, tem por base o bloco sobrealimentado que equipa o modelo de duas rodas, mas em vez de gasolina utiliza um sistema de injeção direta e hidrogénio comprimido em estado gasoso como combustível.

Embora Hiroshi Ito tenha frisado que o construtor japonês continuará a apostar em motores de combustão, também ficou claro que este está a trabalhar para ser neutro em carbono no futuro, pelo que serão de esperar mais modelos com combustíveis alternativos. Se em breve avançará para a produção em série de um modelo alimentado a hidrogénio, fica a incógnita.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Barco à vela produzido com algas e plástico reciclado inspira o futuro
Comer carne ou ser vegan? Qual a dieta com menos emissões de carbono?
Limitar o aquecimento global a 1,5ºC parece tarefa impossível diz novo estudo