Mobilidade

Veículos elétricos criam oportunidade para marcas chinesas na Europa

O entusiasmo crescente entre os consumidores europeus para com os carros elétricos pode ser um impulso para a indústria automóvel na China
Fábrica Xpeng (foto: Xpeng)
Fábrica Xpeng (foto: Xpeng)
PUB

Os construtores de automóveis elétricos na China estão a apontar a mira para o mercado europeu, numa altura em que cresce a apetência por veículos com zero emissões por parte dos consumidores. Nio, Aiways, Tang (BYD), MG (Saic) e Xpeng são algumas das marcas que pretendem aproveitar esta onda de entusiasmo, cientes das dificuldades que vão encontrar.

PUB
Conhece o conceito de mobilidade elétrica da Saic

Depois de já terem duplicado de 2019 para 2020, as vendas de automóveis elétricos na Europa registam uma subida de 130 por cento no primeiro semestre deste ano. Estes números entusiasmam qualquer construtor de automóveis que esteja a apostar nesta tecnologia e os fabricantes chineses veem aqui uma oportunidade de entrar num mercado que tradicionalmente lhes oferece alguma resistência.

PUB
Aiways U5 (foto: Aiways)
PUB

A maior dificuldade prende-se com a perceção de qualidade, já que, na sua maioria, os consumidores europeus associam as marcas chinesas à produção em massa, com baixo índice de qualidade. Mas isso pode vir a mudar, pelo menos assim esperam os construtores daquela zona do globo, aproveitando o facto de ser do domínio público que muitas marcas conceituadas, como a BMW ou a Tesla, integram muitos componentes fabricados na China.

PUB

Ainda assim, o caminho vai ser longo, como prevê o diretor executivo da Nio, William Li, e o seu homólogo na Xpeng, He Xiaopeng. Em declarações à Reuters, ambos reconhecem a dificuldade que as suas marcas terão em ser bem-sucedidas na Europa e apontam para um período de dez anos como o necessário para criarem uma posição firme no mercado.

Xpeng P5, P7 e G3i (foto: Xpeng)

A crescente procura por automóveis elétricos poderá ser o impulso que a indústria automóvel chinesa precisa para entrar em força na Europa. “O mercado ainda não está assim tão preenchido, se o compararmos com modelos de motores de combustão, dos quais os principais fabricantes têm uma gama completa”, afirma Alexander Klose, diretor de operações para o estrangeiro da Aiways. “É aí que pensamos ter uma oportunidade”, completa.

Quanto às estratégias de entrada no mercado europeu, verificam-se diferentes cenários. Enquanto construtores com a Nio ou a Xpeng apostam em instalações e concessionários próprios, outros como a MG do grupo Saic ou a Aiways optam por ter distribuidores locais ou por apoiar-se em cadeias de retalho (não necessariamente do ramo automóvel) para chegarem aos consumidores.

PUB
Continuar a ler
Home
Cidades
Conhece aqui o vencedor do Prémio Gulbenkian para a Humanidade
Mobilidade
Vídeo: Famel regressa com mota elétrica
Sustentabilidade
Google Maps irá indicar rotas amigas do ambiente para evitar emissões de CO2