Mobilidade

As questões legais, éticas e políticas da condução autónoma

Audi consultou 19 especialistas que se pronunciam sobre questões de ordem social e que projetam os desafios de uma nova forma de mobilidade
Audi apresenta estudo sobre condução autónoma
Audi apresenta estudo sobre condução autónoma
PUB

“As pessoas precisarão de tempo para estabelecer uma boa relação de confiança com a condução autónoma”, é uma das conclusões do estudo SocAIty desenvolvido pela &Audi Initiative, um projeto criado pelo construtor automóvel Audi em 2015, que visa estimular o intercâmbio interdisciplinar sobre novas tecnologias, como a inteligência artificial e a condução autónoma.

O novo estudo pretende abordar uma dimensão social da condução autónoma, através da partilha de conhecimentos especializados e de opiniões sobre questões legais, éticas e políticas.

PUB

O documento SocAIty conta com a participação de 19 especialistas oriundos da Europa, dos Estados Unidos e da Ásia que, assim, iniciam um debate sobre a mobilidade do futuro, a partir das suas várias perspetivas, que se pretende seja contínuo.

PUB

E porque motivo é a Audi a lançar a discussão? Markus Duesmann, CEO da marca alemã, assegura que “após a mobilidade elétrica, a próxima mudança claramente mais radical é a transição para veículos mais inteligentes e, em última análise, autónomos”.

PUB

A condução autónoma é uma tecnologia chave que pode ajudar a tornar o tráfego mais seguro e a mobilidade mais confortável e inclusiva.

O estudo aborda três pontos fundamentais. O capítulo Lei e Progresso foca-se, entre outros aspetos, nas questões atuais sobre responsabilidade a nível global, enquanto o capítulo Relações de confiança entre o ser humano e a máquina analisa a dimensão ética da condução autónoma. O separador Segurança em rede aborda os aspetos relevantes da proteção de dados e da segurança.

Uma perspetiva central do estudo é que o panorama da mobilidade em 2030 será mais diversificado e compartimentado e produzirá mais soluções de mobilidade. Além disso, a diversidade de formas de micromobilidade irá aumentar, particularmente nas cidades.

Relativamente aos países que irão liderar essa transformação, os Estados Unidos são vistos como a força motriz por detrás da tecnologia da condução autónoma, impulsionados pelo forte capital que amplia o desenvolvimento de testes em estrada.

PUB

A China é vista como uma pioneira na penetração generalizada da tecnologia, para o qual muito contribui um elevado grau de apreciação social pelas novas tecnologias. Na opinião dos peritos, a Europa, e particularmente a Alemanha, irá destacar-se pela inovação e pela produção de alto volume.

O SocAIty projeta que, em 2030, a mobilidade será fortemente caracterizada por um novo tipo de tráfego misto, no qual veículos autónomos se cruzam com veículos conduzidos por humanos. Os utentes das estradas irão adaptar-se gradualmente e terão de aprender novas regras.

Somente as melhorias que esperamos ver no conforto, na segurança e na disponibilidade serão suficientes para justificar a aceitação e a confiança na nova tecnologia”, conclui Hiltrud Werner, membro do conselho de administração do Grupo Volkswagen responsável pela integridade e assuntos jurídicos.

Sobre os possíveis acidentes causados pela proliferação da condução autónoma, assunto a que o estudo também se dedica, os peritos concordam que o próximo passo importante consiste em definir, claramente, os fundamentos éticos com base em situações realistas e em aceitar desafios e questões reais que as empresas e os legisladores têm de enfrentar a uma escala global.

PUB

(Fotos: Audi AG)

Continuar a ler
Home
Dias negros para quem precisa de abastecer. Combustíveis vão subir
Inspeção às motas à espera do novo governo
Devo comprar um carro elétrico? Prós e contras!