Mobilidade

Barco a energia solar permite passar a noite no mar de forma confortável

Pol Lux é um barco com interior modular, motorização elétrica e painéis solares que promete aventuras em alto-mar
Texto

Para quem é realmente apaixonado pelo mar, há poucas coisas melhores do que passar um dia e até uma noite sobre as ondas. O Pol Lux é um barco elétrico e com painéis solares, criado a pensar nas escapadelas para a água, desenhado para dar conforto a qualquer hora do dia.

Há vários pormenores que tornam este barco criado na Suécia interessante. O motor 100% elétrico permite aproveitar a paisagem natural sem barulhos a distrair. Os painéis solares, instalados no topo da cabine, dão energia extra em alto-mar para garantir que há sempre como voltar para casa.

Barco elétrico solar Pol Lux - AWAY
Barco elétrico a energia solar

O design modular garante que é possível encontrar sempre a melhor disposição dentro do barco para os passageiros – leva até 13 pessoas. Além disso, se gostares de passar a noite à deriva, os bancos transformam-se numa cama.

A cabine é aberta, mas facilmente se fecha, com uma espécie de tenda própria, de forma a dar privacidade e proteger dos elementos.

O Pol Lux tem materiais que garantem que é leve e confortável, além de resistente tanto à água como ao vento. Um dos que mais se destaca é a cortiça que cobre o chão do deck e que garante a drenagem automática da água que possa entrar no barco.

Barco elétrico solar Pol Lux - AWAY
Pol Lux com tenda

Apesar de ainda não ter sido divulgada a autonomia ou a potência do motor, sabe-se que a velocidade máxima deste barco é 11 nós (20,4 km/h), com uma velocidade de cruzeiro de 7 nós (13 km/h).

Quem estiver interessado no Pol Lux pode juntar-se à wainting list e esperar que o barco elétrico solar chegue às águas em breve.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Barco à vela produzido com algas e plástico reciclado inspira o futuro
Comer carne ou ser vegan? Qual a dieta com menos emissões de carbono?
Limitar o aquecimento global a 1,5ºC parece tarefa impossível diz novo estudo