Mobilidade

Fomos perceber como nasce um Nissan Qashqai na fábrica da marca no Reino Unido

Na fábrica da Nissan, em Sunderland, vimos como se faz um automóvel, da chapa aos bancos. E mostramos tudo
Texto

À medida que a Europa se vira cada vez mais para a mobilidade elétrica, as marcas adaptam-se e aumentam a sua oferta de veículos sem emissões. A Nissan não é diferente, estando a preparar-se para um futuro onde os automóveis elétricos são mais a regra do que a exceção.

A Nissan está a adaptar as suas fábricas para esta nova realidade e nós fomos ver como esta mudança se dá na unidade de Sunderland, no Reino Unido.

A fábrica de Sunderland é um mundo. Inaugurada em 1986, foram aqui construídos milhões de automóveis ao longo dos quase 40 anos de história da unidade. Desde 2006 que é aqui que o Nissan Qashqai ganha forma. Em 2013, começaram a produzir veículos elétricos, com o Leaf que vai muito em breve ganhar uma nova cara. Agora vai começar a produzir o novo Qashqai, que chega com um design remodelado e com motorização e-Power, que se conduz como um elétrico, mas sem ser necessário carregar.

Nissan Sunderland - AWAY
Fábrica de Sunderland (foto: divulgação)

Visitar uma unidade do tamanho da de Sunderland é entrar num mundo onde máquina e homem trabalham em perfeita harmonia para dar forma aos automóveis que estamos tão habituados a ver na rua.

Tivemos oportunidade de ver o trabalho que fazem de perto. Passámos pela área onde as bobinas ganham a forma das várias partes do automóvel e onde se constrói o esqueleto; pela zona onde se pinta o veículo; o espaço onde se constrói o chassi; e por fim a área onde se montam as baterias. A melhor palavra para o que se vê nesta unidade é mesmo ‘impressionante’.

Os números de Sunderland

Desta unidade saem perto de 300 veículos por dia – pelo menos é esse o objetivo. Para garantir que tal é possível, chegam à unidade cerca de um milhão de peças por dia e estão a trabalhar seis mil funcionários, que vão sendo divididos por vários turnos. Se olharmos para a cadeia de abastecimento, o número de pessoas envolvidas chega aos 30 mil.

Este número de mãos permitiu, em 2011, que a unidade de Sunderland fosse a mais rápida a produzir um milhão de unidades.

A fábrica da Nissan em Sunderland tem duas linhas de produção, das quais saem o Juke e o Qashqai. Em breve, sairão outros.

Sunderland Nissan - AWAY
Lateral de Nissan Qashqai (foto: divulgação)

A construção do esqueleto do Nissan Qashqai e Juke

Todos os automóveis, antes de tomarem forma, são apenas bobinas gigantes de alumínio e aço. É em prensas gigantes – Sunderland tem quatro - que as várias partes dos automóveis começam a ganhar forma. É logo neste primeiro passo que começa a atenção ao detalhe. Os cortes são feitos milimetricamente para que no final, não haja grandes aberturas onde não é suposto existirem.

Neste primeiro processo, são feitos 13 cortes por minuto e depois grandes máquina começam a montar o esqueleto do carro. Os pedaços cortados que não são usados entram no ciclone para serem reciclados. 

A pintura faz-se em seis etapas

Chegar à cor que nós vemos nos carros não é só passar uma demão de tinta e está pronto. O processo demora o seu tempo, é feito em várias etapas e num ambiente controlado para garantir que não há imperfeições.

Começa-se por mergulhar a carroçaria num banho anticorrosão e é feita a selagem para garantir que fica à prova de água. Depois começa a pintura, feita em três camadas: o primer, a cor de base e a cobertura transparente que evita que a tinta lasque e que garante proteção contra os raios UV. No final, é feita a inspeção.

Cada veículo precisa de cerca de cinco litros de tinta, ainda que o número certo varie de cor para cor. O processo todos demora cerca de 85 minutos, sendo que mais de metade é para a secagem.

Sunderland Nissan - AWAY
Inspeção final (foto: divulgação)

Da carroçaria pintada para um veículo pronto a chegar às estradas

É na zona de acabamento e chassis que os Qashqai e os Juke passam de carroçarias pintadas para veículos prontos a serem entregues. É aqui que são colocados bancos, pedais, motor, sistema de infoentretenimento, e muito mais.

O processo nesta parte da fábrica demora cerca de 3h30 até chegar à parte de qualidade de controlo. Para sair da fábrica, o veículo passa por perto de mil controlos de qualidade e não há defeito encontrado que não possa ser corrigido.

O futuro de Sunderland

A unidade da Nissan de Sunderland prepara-se para entrar numa nova etapa. Vai ser ela o blueprint daquilo que a marca chama do EV23Zero, um plano para o futuro, em que a mobilidade elétrica é a regra e se aposta em energias renováveis e na produção de baterias.

Aqui já há uma gigafactory, e está a trabalhar-se na segunda. Afinal, veículos elétricos não se fazem sem baterias. A marca tem trabalhado para conseguir desenvolver baterias sólidas e quer baixar o curso de produção dos veículos elétricos em 30% até 2030.

A fábrica, que neste momento apenas produz dois veículos, vai fabricar também o novo Nissan Leaf. A linha de montagem está agora a ser repensada para que, no futuro, sejam aqui fabricados três modelos elétricos diferentes.

A marca não planeia parar na mobilidade e está a explorar novas oportunidades de negócio, como painéis solares e armazenamento de energia em baterias de segunda vida dos antigos Nissan Leaf.

*A AWAY viajou ao Reino Unido a convite da Nissan

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Comboios que levitam na linha? Empresa italiana está a testar tecnologia
Radares da PSP. É aqui que vão estar na semana de 24 a 30 de junho
Visita à fábrica da Nissan: sustentabilidade em destaque na produção do Qashqai