Mobilidade

Tesla investigada por permitir jogar no ecrã central enquanto se conduz

A autoridade de segurança rodoviária americana (NHTSA) abriu uma nova investigação à Tesla, desta vez devido à presença de jogos no painel de controlo
Tesla com jogos a bordo
Tesla com jogos a bordo
PUB

Depois de um inquérito bastante longo relacionado com o sistema de condução autónoma do construtor de automóveis americano, a NHTSA (National Highway Traffic Safety Administration) volta a abrir uma nova investigação à empresa detida por Elon Musk, a Tesla.

Desta vez, o problema está relacionado com a alegada possibilidade de os condutores poderem utilizar o ecrã central (painel de instrumentos) do carro para jogar, mesmo quando este se encontra em movimento. - refere a Associated Press

PUB

O problema estará relacionado com a função “Passenger Play”, criada para que o passageiro dos lugares dianteiros possa utilizar o monitor central do carro para jogar durante uma viagem, por exemplo, mesmo que isso possa distrair o condutor em determinadas ocasiões. Só que em alguns casos, e em jogos mais “viciantes”, isto pode mesmo levar a que seja o próprio condutor a tentar jogar enquanto conduz, aumentando consideravelmente o risco de acidente.

PUB

De acordo com o noticiado pela AP, “Até à data, a agência recebeu uma única reclamação de um proprietário, descrevendo esta funcionalidade de jogo, confirmando que se encontra disponível desde dezembro de 2020 nos modelos equipados com a função Passenger Play. Antes disso, o acesso aos jogos só era possível quando o carro estava estacionado”. – refere a NHTSA

PUB

Apesar disto, nos documentos da NHTSA, não existe qualquer relato de acidentes ou ferimentos causados por este problema.

Esta nova investigação, que envolve os quatro modelos da Tesla (S, X, 3 e Y), foi aberta com o objetivo de “avaliar o potencial de distração de condutor com esta função Passenger Play ativa enquanto o veículo está a ser conduzido. Os investigadores vão avaliar os diversos elementos desta funcionalidade, incluindo a frequência de utilização e em que cenários isso acontece”. Caso a NHTSA determine que algo tem de ser corrigido, isso poderá levar a uma recolha de todos os modelos com esta funcionalidade ou a uma obrigatória atualização de software com uma solução.

Continuar a ler
Home
Tão giro! O Microlino tem 230 km de autonomia e é perfeito para as cidades
Empresa chinesa quer arrancar com táxi aéreo na Europa em 2025
Este é o carregador elétrico mais rápido do mundo