Mobilidade

Empresas alemãs apostam na sustentabilidade com ferryboat zero emissões

Protótipo de barco elétrico modular atinge 25 km/h e tem autonomia para 14 horas de navegação
Texto
CIT-E Ferry
CIT-E Ferry

Com a necessidade de encontrar alternativas mais sustentáveis de mobilidade e acabar com o trânsito nas estradas, muitas cidades têm aumentado a oferta de transportes públicos navegáveis. Duas empresas alemãs juntaram-se para criar um ferryboat elétrico que possa ajudar as cidades nesta procura de alternativas.

A Fassmer Shipyard, uma empresa especialista na produção de embarcações, e a Torqeedo, conhecida por criar sistemas elétricos para barcos, desenvolveram o CIT-E Ferry, um protótipo de barco zero emissões para ser usado como transporte público.

O CIT-E Ferry foi pensado com o objetivo de substituir os ferries com emissões de CO2, que são uma grande fonte de poluição. Assim, tem uma bateria de iões de lítio com capacidade entre 80 kWh e 1 MWh e tem autonomia para navegar entre oito a 14 horas. Atinge a velocidade de 25km/h.

Tem propulsores direcionáveis que fornecem potência contínua de 100kW e que rodam 360 graus, o que tornam o ferry fácil de manobrar.

Foi desenhado para se adaptar aos mais diversos cursos de água. É modular, podendo ter um comprimento entre 12 a 24 metros. A estrutura foi feita em plástico reforçado com fibra de vidro, um material leve e durável.

É também de destacar o design do interior, que permite alterar facilmente o número de lugares sentados e em pé. Para além disso, tem espaço para cadeira de rodas e bicicletas, assim como ar condicionado e até um sistema de entretenimento.

De acordo com o gestor de vendas para barcos da Fassmer, Wolfgang Moewes, o CIT-E Ferry, por ser elétrico, “oferece a mobilidade urbana do futuro sem poluição atmosférica ou sonora”.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Cortiça portuguesa no interior dos elétricos Mobilize
Autocarro português a hidrogénio está a chegar à Europa
Maior central híbrida solar e hidroelétrica de África está a nascer no Gana